TC School / Primeiros passos

Estratégia de carteira: quando os FII’s valem a pena

10/08/2020 às 5:00

TC School TC School

As estratégias com fundos imobiliários tornaram-se populares nos últimos anos. Os cortes consecutivos na taxa de juros, a propagação por parte de influenciadores e o maior conhecimento dos investidores pessoa física foram alguns dos fatores que fizeram dos FII’s uma opção de investimento bastante comum.

Mas, é importante entender que ele não cai bem em todos os tipos de planejamento. Por isso, hoje você vai entender melhor a respeito das estratégias envolvendo os fundos imobiliários na sua carteira. Nesse texto, você encontrará:

  • O que são fundos imobiliários?
  • FII’s: oportunidades para utilizar
  • Estratégia com fundos imobiliários: sempre faz sentido?
  • Faça o seu planejamento

Boa leitura!

Leia mais sobre fundos imobiliários:

Fundos imobiliários: entenda o funcionamento

A ideia aqui não é explicar o que são e como funcionam os fundos imobiliários. Para isso, você pode acompanhar essa série que te dará mais informações sobre como são formados os FIIs. A intenção é partir mais para a prática e mostrar o funcionamento dele dentro de uma carteira. Mas não é por isso que vou deixar de explicar para vocês como funcionam os fundos imobiliários.

Fundos imobiliários são uma categoria especial de fundos, conhecidos como fundos de investimento estruturado, de acordo com a CVM. Os FIIs são condomínios de investidores que depositam recursos em fundos que podem ser de tijolo ou de papel. Esses fundos possuem ativos imobiliários, sejam eles shoppings, centros comerciais ou prédios executivos. E cada cotista do fundo tem um “pedaço” daqueles ativos.

Com isso, o investidor busca a valorização das cotas de cada fundo imobiliário e, também, a renda mensal que ele propicia. Essa renda mensal é o principal atrativo dos fundos imobiliários. Exatamente por isso, você deve ficar ligado se eles se encaixam ou não em sua estratégia.

FII’s: oportunidades para utilizar

O pagamento mensal, que pode ser comparado a um aluguel de quem tem imóveis físicos, é algo que enche os olhos de muitos investidores interessados nos fundos imobiliários. A procura, inclusive, faz ainda mais sentido em um momento de Selic a 2,0%. Em valores brutos, um título que pague 10% da taxa de juros tem um rendimento mensal de 0,165%. Os lucros distribuídos pelos fundos imobiliários, por sua vez, dão rendimentos que variam entre 0,4% e 0,6% ao mês.

Logo, os FIIs se tornam boas opções para quem quer fugir da rentabilidade mais baixa e não quer uma volatilidade tão grande quanto à das ações. Essa é uma boa alternativa para quem busca esta possibilidade. Além disso, os rendimentos provenientes dos FIIs são isentos do imposto de renda. Logo, vai tudo para a conta do investidor.

Se você tem R$ 100 mil em um fundo imobiliários que paga 0,6% ao mês, receberá R$ 600 na conta. Se tem R$ 1 milhão, o “aluguel” será de R$ 6 mil. Nada mal, não é?

Estratégias com fundos imobiliários: sempre faz sentido?

E é exatamente aí, no percentual do que cada investidor vai receber, que deve estar a principal observação sobre o efeito positivo ou não dos fundos imobiliários dentro de uma carteira. Vou supor abaixo, três perfis diferentes de investidores:

Perfil A

Solteiro (a), 22 anos, iniciando no primeiro emprego, mora com os pais, sem dívidas. Tem um pequeno valor para investir, cerca de R$ 100 por mês e quer ter FIIs porque ouviu muita gente falando sobre eles. Em sua carteira, tem quatro fundos imobiliários diferentes com três a cinco cotas de cada um. No total, R$ 1.500 de FIIs.

Perfil B

Casado (a), pai/mãe de dois filhos, 35 anos, carreira em consolidação. Tem patrimônio relevante, mas ainda não chegou no primeiro milhão investido. Em FIIs tem algo em torno de R$ 200 mil.

Perfil C

Casado (a), pai/mãe de dois filhos, 55 anos, carreira consolidada, grande patrimônio em investimentos. No total, tem R$ 3 milhões em FIIs.

A ideia, nesses casos, não é nem focar no conhecimento ou experiência de cada um, mas na fase da vida e no patrimônio que possuem para investir. No primeiro caso, o jovem está começando sua vida produtiva e iniciando a construção do patrimônio. Faz sentido para ele ter uma carreira que lhe garanta renda extra no momento? Ou serial melhor focar nessa construção e crescimento do patrimônio? Sem contar que, supondo que todos os seus FIIs paguem 0,6% ao mês, pelo valor investido vai receber R$ 9 mensais.

O segundo caso já é um avanço. Patrimônio maior, estágio de vida diferente. Nas mesmas situações anteriores, a renda mensal seria de R$ 1.200. Mais interessante, mas ainda assim o investidor deve avaliar se o foco no momento é ter essa grana extra ou se é potencializar ainda mais o crescimento. Caso deseje aumentar o patrimônio, tem opções mais propícias.

Já o terceiro perfil é aquele que pode ser considerado ideal para os fundos imobiliários. Carreira construída, fase de construção do patrimônio finalizada, momento de aproveitar a vida. Com a renda que tem em FIIs, nas mesmas condições anteriores, a renda mensal, livre de impostos, será de R$ 18 mil. Baita oportunidade.

Faça o seu planejamento

Por fim, como sempre gosto de ressaltar, não existe uma fórmula pronta ou mágica. Não quero dizer que as estratégias com fundos imobiliários devem ser utilizadas somente desta maneira. Mas é a condição que eu vejo com melhor sentido para quem investe.

Por isso é importante se planejar, entender qual a função de cada ativo em seu portfólio e tentar tirar o melhor proveito delas. Repito: essa aqui não é a verdade absoluta, mas a forma que considero mais proveitosa para utilizar os fundos imobiliários. Você pode concordar ou não. O importante é saber por que tem cada ativo e qual a função deles em sua carteira.

Raphael Carneiro
Raphael Carneiro
Jornalista e investidor
Trabalha com educação e planejamento financeiro. Possui certificação em Gestão de Finanças Pessoais e atua no mercado financeiro brasileiro há cinco anos.

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub