TC School / Opinião

O fetiche do “título de doutor” e a importância da pós-graduação no Brasil

08/07/2020 às 12:00

TC School TC School

Por Márcia Batista da Fonseca,

 professora associada do Departamento de Economia, UFPB

Desde o início da crise sanitária, com a pandemia provocada pelo novo coronavírus, as universidades brasileiras têm sido responsáveis por fazer a ponte entre os diversos atores sociais que estão agindo no enfrentamento da crise. Apesar de hoje termos o maior número de recuperados da Covid-19 no mundo, temos 1,6 milhão de casos confirmados, 65 mil mortos no país (em dados oficiais) e passando do 305 mortos por milhão. Pari passu, estamos em plena crise econômica, com previsão do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) de redução de 6% da atividade econômica este ano, agravada pela incerteza quanto ao ritmo de contágio da doença e a necessidade de retorno das atividades essenciais para que o país não tenha um colapso.

importância da pós-graduação

Leia mais:

Universidades contra a pandemia

Em meio a este caos, as universidades se aliam a entes públicos e privados na busca por soluções para a saída da crise. Essa preocupação vai desde a atuação dos hospitais universitários no combate da pandemia, até a produção de estudos de acompanhamento econômico, geográfico, epidemiológico pelos programas de pós-graduação e laboratórios de pesquisa, além da produção e distribuição de produtos, como o álcool em gel, equipamentos de proteção individual, e a criação de equipamentos que permitem o tratamento de pacientes em casos graves levados ao sistema de saúde.

Um exemplo disso, foi o que ocorreu na Universidade Federal da Paraíba. Professores pesquisadores dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica e Elétrica no mês de abril do corrente ano, desenvolveram em dois dias um respirador pulmonar de licença aberta, de baixíssimo custo. O equipamento utiliza de tecnologia touch screen, equipado com sistema multibiométrico e de conectividade wireless, podendo assim ser operado remotamente por meio de um celular.

Se fosse possível elencar algo positivo nesta crise pandêmica, este seria o reconhecimento de que o trabalho desenvolvido nas universidades (em sua maioria públicas) e em especial, nos programas de pós-graduação e laboratórios de pesquisa, é vital para a produção econômica, científica e tecnológica do país. Por outro lado, percebe-se que a maioria da população não tem noção de que a pós-graduação, através dos professores e seus alunos, mestrandos e doutorandos, é a responsável pelo desenvolvimento da pesquisa científica, buscando a redução de desigualdades econômicas e sociais, o desenvolvimento de capacidades humanas e o crescimento inclusivo e sustentável para o país.

Desenvolvimento econômico e pesquisa científica

Não há como se obter desenvolvimento econômico sem pesquisa. Segundo o relatório Research in Brazil: Funding Excellence da empresa Clarivate Analytics, entre 2013 e 2018, 15 universidades públicas foram responsáveis por 60% do conhecimento científico do país e segundo a Academia Brasileira de Ciências (2020), cerca de 95% das pesquisas feitas no Brasil são realizadas por universidades públicas. Mas, como funciona a pós-graduação no Brasil e o desenvolvimento das pesquisas?

O Sistema Nacional da Pós-graduação no Brasil, em 2020 abrange 4.641 programas de pós-graduação stricto sensu divididos em 7041 cursos de mestrado e/ou doutorado. Segundo a Coordenação para apoio de Pessoal Qualificado (Capes) em universidades na maioria públicas, tendo em torno de 300 mil matriculados nos diversos cursos. Tendo estes programas de pós-graduação titulado aproximadamente 87 mil pós-graduandos por ano nas mais diversas áreas do conhecimento. Há também as formações de pós graduação lato sensu, que representam as especializações, e as residências médicas e multiprofissionais.

Em 2019, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) lançou um relatório chamado Education at a Glance que mostra que 21% dos jovens brasileiros entre 25 e 34 anos concluem a universidade no Brasil, enquanto a média dos países da OCDE é de 44%. Destes jovens, apenas 0,84% concluem o mestrado e 0,11% o doutorado no Brasil. A média da OCDE é de 14,33% e 0,84%, respectivamente para mestrado e doutorado. Além disso, o percentual médio de pessoas entre 25 e 64 que possuem doutorado nos países da OCDE é de 1,1%. No Brasil este percentual chega a 0,2% da população. Ou seja, o percentual do Brasil é seis vezes menor que a média da OCDE.

Formação de doutores no Brasil

O funil é estreito. São necessários mais dez anos de estudos ininterruptos após a conclusão do ensino médio para se formar um doutor no país. Segundo a OCDE, o Brasil tem hoje 7,6 doutores para cada 100 mil habitantes. Talvez este baixo número provoque um verdadeiro fetiche com relação a obtenção do título de doutor. Esse fetiche pode favorecer a falsificação de currículos no Brasil, mesmo de autoridades do alto escalão governamental.

Percebe-se com base nestes dados a necessidade urgente de ampliação do número de doutores no Brasil, para evitar humilhações públicas provocadas pela adulteração de currículo e porque atrelado ao crescimento do número de doutores, segue-se o aumento da produção em pesquisa, o que significa consequentemente um maior desenvolvimento econômico, científico e tecnológico para o país.

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub