TC School / Opinião

Desigualdades salariais entre homens e mulheres: o que comemorar no oito de março?

11/03/2020 às 14:34

TC School TC School

Por Márcia Batista da Fonseca, professora associada do Departamento de Economia da Universidade Federal da Paraíba 

Este é o mundo dos homens, mas não seria nada, nada sem uma mulher”, esta frase de James Brown e Betty Jean Newsome (1966) é bastante reflexiva cada vez que novos nomes são dados as diversas formas de silenciamento da mulher. Em tempos de “Gaslighting”, “Mansplaining”, “Manterrupting” e “Bropriating” há uma verdadeira sofisticação de estratégias para reduzir a mulher a papéis de subordinação na sociedade.

Historicamente existem avanços profundos, na esfera econômica, política e social desde a comemoração oficial do Dia Internacional da Mulher, mas parece que enquanto este dia precisar ser celebrado haverá desigualdades entre mulheres e homens que precisarão ser combatidas. 

O dia oito de março foi oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975 como sendo o Dia Internacional da Mulher. Entretanto, remota a 08 de março de 1857, em Nova York, Estados Unidos, o primeiro movimento de mulheres na busca de melhores condições de trabalho e salários. A partir do fortalecimento do movimento sindical, início do século XX

Demandas por melhores condições de trabalho se tornaram constantes e em 28 de fevereiro de 1909, novamente em Nova York, em torno de 15 mil mulheres marcharam nas ruas pelo fim do trabalho infantil, melhores salários, redução da jornada. O resultado desta ação se expandiu pelo velho mundo trazendo como consequência a criação do Dia Internacional das Mulheres Trabalhadoras, proposto em 1910. 

No ano seguinte em 1911, em 25 de março, 146 pessoas, a maioria mulheres, perderam suas vidas no incêndio da Companhia de Blusas Triangle, também em Nova York, trabalhando em péssimas condições. Deste martírio, resultaram novos conceitos de responsabilidade social e legislação que ajudaram a melhorar as condições de trabalho no mundo. No Brasil, este caso teve repercussão, mas, os movimentos em torno de melhores condições de vida e trabalho para mulheres só começaram a aparecer na década posterior, nos anos 1920. 

Destaque-se que a literatura sindical de meados século XX mostra que as manifestações sindicais foram feitas por melhores condições de trabalho, mas, não por igualdade salarial entre homens e mulheres, em se considerando a realização das mesmas tarefas, sendo este, um desafio econômico, presente e atual, no século XXI.

Para exemplificar a situação, observe-se que dentre os países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), na Ásia encontram-se as maiores discrepâncias salarias entre homens e mulheres. Um trabalhador Sul Coreano ganha 36,7% e um japonês ganha 25,7% a mais que as colegas trabalhadoras, realizando a mesma tarefa laboral. 

Mulheres no Brasil, apesar de mais escolarizadas que os homens (23% das mulheres e 18% dos homens têm ensino superior completo), em 2018, ganharam 20,5% a menos que homens, realizando as mesmas funções, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Uma das explicações para este fato seria o baixo número de mulheres a ocupar cargos de chefia.

Sobre isso, a Pesquisa Nacional por Amostragem e Domicilio, mostra que 37% das mulheres, no setor privado e apenas 21,7% das mulheres no setor público, chegam aos cargos de chefia nas empresas. 

Por que a preocupação com desigualdades salariais provocadas por questões de gênero é necessária?

Em 2018 o Banco Mundial lançou um estudo realizado em 141 países sobre a perda de riqueza de capital humano devido a assimetrias salariais entre gênero. Os resultados apontaram para uma perda estimada em 160 trilhões de dólares, ou seja, caso não houvesse assimetrias nas remunerações de homens e mulheres, a riqueza poderia aumentar em 14% no mundo. Bertay, Dordevic e Sever (2018), em estudo ainda preliminar, feito para países emergentes, mostram que quanto maior a igualdade de gênero, maior o crescimento econômico, pois indústrias que são tipicamente dominadas por mulheres crescem mais rapidamente em países com maior igualdade de gênero. 

No Brasil, a literatura econômica tem admitido como determinantes de diferenças salariais entre gênero, escolaridade, experiência, regiões geográficas, cargos, tipo de ocupação, raça e idade. Gomes e Sousa (2019) mostraram, em estudo recente, que no Brasil, o fato de o indivíduo ser homem e de cor branca resultou em maior remuneração na comparação com as mulheres e não brancos, independentemente da região ou setor econômico no país. 

Percebe-se que apesar dos avanços, na sociedade do século XXI, mulheres ainda lutam por sua liberdade, no sentido de não sentir medo por sua existência. Violência física, psicológica e a “violência econômica” que desqualifica o trabalho nos termos de uma remuneração injusta, são elementos que precisam ser combatidos objetivamente, pois, desigualdades provocadas por questões de gênero são entraves para o crescimento econômico.

O recente oito de março no Brasil e no mundo foi cercado de manifestações pelo fim destas desigualdades. Espera-se que oportunidades equânimes para agentes econômicos, independente do gênero, possam desenvolver seu potencial e estejam na base para o desenvolvimento econômico da sociedade.

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub