12/12/2019 às 7:00

20 – Units: o que são, por que existem e como são compostas essas ações especiais da bolsa?

Felipe Pontes Felipe Pontes

No mercado de ações brasileiro, existem diversas classes de ações, sendo as mais comuns:

As ordinárias usam o código 3 no final, já as ações preferenciais, em geral, apresentam o código 4. Existem ações preferenciais com outros códigos, mas elas possuem direitos diferentes com detalhes específicos.

No Brasil, também existem “ações” com código 11. Este tipo de ação é conhecido como unit e agrega uma cesta de ações ordinárias e preferencias. É preciso salientar que o código 11 também serve para designar ETFs e Fundos Imobiliários (FIIs).

A tabela abaixo apresenta as units do mercado brasileiro. Note que a composição não é uniforme:

  • A Unit do Santander (SANB11) apresenta uma composição de uma ação ON para cada uma ação PN.
  • A Unit da Energisa (ENGI11), por exemplo, apresenta uma composição de uma ação ON para cada quatro ações PN.

Fonte: http://www.b3.com.br/pt_br/market-data-e-indices/servicos-de-dados/market-data/consultas/mercado-a-vista/units/

 

Por que as Units existem?

Existem alguns motivos para a existência das units e nem todos seguem o interesse do investidor minoritário. Primeiramente, as units geralmente apresentam maior liquidez que as ações que as compõem.

Isso acontece devido à menor liquidez existente em diversas ações ON de empresas fora do Novo Mercado (o segmento com maior governança da bolsa): o controlador das companhias não negocia suas ações. Dessa forma, o número de negócios das ações ON é menor e menor será a liquidez em bolsa. Essa é uma forma do controlador manter a maior parte das ações ordinárias e não perder o controle da empresa.

Abaixo, temos um exemplo da diferença de liquidez das units em relação às ações ON e PN de uma mesma empresa entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019. Foi adotado como exemplo o percentual do volume de negociação diário das ações da Taesa S.A.

É possível notar que a TAEE11 representa mais de 97% do volume negociado as ações da Taesa S.A. As ações TAEE4 e TAEE3 representam menos de 3% das negociações diárias.

Precificação das Units

Se uma unit é uma cesta formada por algumas ações, o seu preço deveria ser a soma dos preços das ações que compõem a unit, correto?

Bem, se os investidores forem racionais e os mercados apresentarem poucas barreiras para a arbitragem, essa afirmação está correta. Porém, em alguns casos, existe a oportunidade de arbitragem com as units. Isso ocorre quando a soma dos preços das ações difere do preço das units.

Veja mais sobre esse tema no nosso texto sobre aluguel de ações.

Abaixo, temos um exemplo da precificação das ações e units da Taesa S.A. A primeira imagem mostra o preço das units e das ações ON e PN de dezembro de 2018 até dezembro de 2019. Como a unit é formada por três ações, é natural que tenhamos um preço bem diferente entre elas.

Na figura abaixo apresentamos uma comparação entre a unit TAEE11 e a soma das três ações que compõem a unit: uma ON e duas PN. No eixo da direita, apresentamos a divisão entre as duas ações (TAEE11 vs. Soma das Ações). Os resultados apontam que não são observadas divergências significativas entre as duas. No geral, os desvios se concentram em até 1% de diferença no preço diário de fechamento. São em desvios como este e maiores, que aparecem oportunidades de arbitragem em operações de long & short proporcionadas pelo aluguel de ações.

 

 

Conclusão

As units são tipos específicos de ações negociadas no mercado brasileiro com o objetivo de aumentar a liquidez das ações e diminuir a possibilidade de perda de controle acionário pelos acionistas majoritários.

As units são cestas de ações formadas por uma combinação de ações ordinárias e preferenciais e, em momento de ineficiências do mercado, podem oferecer oportunidades de arbitragem ao negociar as units e as ações que compõem a cesta.

Obviamente, fazer tal operação exige um conhecimento mais avançado do funcionamento dos mercados e suas estruturas de precificação, bem como de operações de arbitragem e long & short.

Lucas Nogueira
Mestre em Finanças pelo PPGA/UFPB
Contribui com textos educativos para o TC SChool

Felipe Pontes

Felipe Pontes

Diretor Educacional do TradersClub

Doutor em Contabilidade com foco em informações contábeis para o mercado de capitais pelo Programa UnB/UFPB/UFRN.
Professor de Contabilidade e Valuation.
Gestor de Clube de Investimento.

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub