TC School / Economia & investimentos

Política fiscal: o tamanho da dívida do governo é preocupante?

08/09/2020 às 15:00

TC School TC School

Neste artigo, o objetivo é explicar uma das políticas econômicas, a política fiscal e como ela pode interferir nas expectativas dos agentes. Nesse contexto em que o mercado financeiro tem reagido à forma de condução dos gastos públicos pelo governo brasileiro, será possível entender melhor a dinâmica e a importância dessa política. Assim, serão abordados os seguintes tópicos:

  • Qual o objetivo da política fiscal?
  • Resultado fiscal: Primário Vs. Nominal
  • Por que a dívida pública preocupa?
  • Conclusão: a importância de manter o controle

Boa leitura!

política fiscal

Leia mais sobre economia para investidores:

Qual o objetivo da política fiscal?

A política fiscal faz parte do conjunto de políticas econômicas de um país, das quais incluem também a política monetária e a cambial e está condicionada ao gerenciamento das contas do governo federal, refletindo o conjunto de medidas da arrecadação, através da tributação e dos gastos públicos, que incluem despesas com salário, investimentos públicos assim como os encargos sociais. Neste ínterim, o objetivo do governo ao realizar a política fiscal é cumprir três funções[1]:

  • Estabilização da macroeconomia, mediante a promoção do crescimento econômico com estabilização de preços e baixo desemprego;
  • Alocação eficiente dos recursos para o fornecimento de bens e serviços públicos;
  • Redistribuição de renda, visando a distribuição igualitária

Nesse contexto, a política fiscal que envolve tanto impostos quanto gastos do governo, pode ser uma política expansionista ou contracionista; em outras palavras, quando a política fiscal é expansionista quer dizer que estão ocorrendo mais gastos públicos e/ou a redução de impostos e a consequência é promover o aumento da demanda agregada, esta conhecida como PIB (Produto Interno Bruto), impulsionando a atividade econômica.

Já um exemplo de política fiscal contracionista reduz as despesas públicas e/ou aumenta os impostos, com o objetivo de direcionar melhor os recursos públicos para investimentos em infraestrutura por exemplo, assim como para setores primordiais, como educação e saúde.

Dessa forma, por meio da condução da política fiscal, o governo busca seu principal objetivo social que é a criação de empregos e o aumento dos investimentos em prol da redução da pobreza e da desigualdade.

Resultado fiscal: Primário X Nominal

As contas públicas são a contabilidade entre os gastos e as receitas do governo, sendo divulgadas periodicamente pelo Banco Central assim como pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Desse modo, o resultado fiscal indica a capacidade do governo em honrar seus compromissos, seja com a população assim como seus credores. Assim, existem dois indicadores para apurar o resultado fiscal, através do resultado primário assim como do resultado nominal.

Resultado Primário

O resultado primário é a diferença entre as receitas primárias, constituída pelo total de arrecadações de impostos e contribuições pelas despesas primárias, sem considerar as despesas e receitas financeiras.

Receita Primária: também conhecida como receitas não financeiras do governo, das quais são provenientes da arrecadação tributária, como impostos, contribuições, taxas e que compõe a “carga tributária” do país.

Despesa Primária: está relacionada aos gastos com bens e serviços públicos, que incluem educação, saúde, infraestrutura, além dos gastos necessários para a manutenção da máquina pública.

Conforme pode-se verificar na tabela acima, caso ocorra o aumento das despesas do governo sem que haja o aumento de impostos ou mesmo a redução dos impostos poderá onerar o orçamento público e, consequentemente, poderemos observar um déficit, neste caso um déficit primário, que significa que as despesas do governo estão maiores que suas receitas. O contrário, quando as receitas estão maiores que as despesas, há um superávit, neste caso, superávit primário.

Resultado Nominal

Já por resultado fiscal nominal, compreende-se a soma do resultado primário mais o resultado do pagamento e recebimento de juros.

  • Receita Financeira: Advém das operações de crédito das quais não ocasionam alterações patrimoniais, como por exemplo as aplicações financeiras.
  • Despesa Financeira: São resultantes do pagamento de uma dívida, como por exemplo o pagamento de juros da dívida pública.

Nesse contexto, é importante que você saiba que o resultado nominal[2] é calculado por meio da variação da dívida líquida de um ano para outro, ou seja, se a dívida líquida no ano atual for maior que a dívida líquida do ano anterior, tem-se como resultado um déficit nominal, assim como o contrário é válido. Em resumo, o resultado nominal busca apontar de forma mais precisa os impactos das contas do governo sobre a economia.

Por que a dívida pública preocupa?

Quando há um déficit no orçamento do governo é preciso que ele promova o equilíbrio do orçamento. Neste contexto, o governo deverá buscar meios, do qual pode ocorrer através da necessidade de novas emissões monetárias e de títulos públicos assim como através de tributos.

Dessa forma, a consequência do aumento da base monetária por meio do aumento de moeda em circulação não é algo comum, dada a probabilidade de aumento de preços, ou seja, de inflação. Assim, para o equilíbrio orçamentário, poderão ser emitidos títulos públicos, em que o governo precisará buscar junto ao mercado esses empréstimos, aumentando a dívida do setor público.

Segundo, que a solução poderá ocorrer pela necessidade de aumento de tributos e esta será refletida a curto assim como a longo prazo, tanto para as famílias, em que uma parcela da renda deverá ser repassada aos cofres públicos, com consequência de gerar menor poupança, assim como influenciará o consumo, dado que terão menos renda para consumir.

Do lado das empresas, o aumento dos impostos leva a duas importantes discussões: a primeira é o capital investido, que se torna menos atraente assim como diminui a capacidade de investimento, dado que os fluxos de caixa serão menores[3]. Dessa forma, quando há alterações na cobrança de impostos, o consumo e o investimento são afetados.

Conclusão: a importância de manter o controle

Por fim, a importância em manter o controle das dívidas públicas é fundamental para a responsabilidade fiscal. Nesse sentido, também é necessária a redução gradual da dívida líquida em relação à capacidade produtiva do país, de forma que a alocação dos recursos públicos assegurem a estabilização macroeconômica e a alocação eficiente do dinheiro público em bens e serviços que maximizem o bem-estar da população.

Referências

[1]BRASIL. Ministério da Economia – Secretaria do Tesouro Nacional. Sobre Política fiscal. Disponível em: https://www.gov.br/tesouronacional/pt-br/estatisticas-fiscais-e-planejamento/sobre-politica-fiscal. Setembro, 2020.

[2]BRASIL. Ministério da Economia – Secretaria do Tesouro Nacional. Demonstrativo dos Resultados Primário e Nominal. Disponível emhttps://conteudo.tesouro.gov.br/manuais/index.php?option=com_content&view=article&id=1249:03-06-05-01-tabela-6-demonstrativo-dos-resultados-primario-e-nominal&catid=630&Itemid=675

[3] ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 14. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

Fernanda Mansano
Fernanda Mansano
Economista
Fundadora do projeto Economia para Investidores.

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub