TC School / Derivativos

Estratégia com opções: entenda o long & short straddle

09/09/2020 às 5:00

TC School TC School

Nesse texto, falarei sobre a utilização do long & short straddle como estratégia de investimento com opções. Para um melhor entendimento, separamos o texto nos seguintes tópicos:

  • Long & short straddle: conheça esses conceitos
  • Prática: como montar um long straddle?
  • Quais as vantagens e desvantagens do long straddle?
  • Exemplo prático: construindo um short straddle
  • Quais as vantagens e desvantagens do short straddle operação?

Boa leitura!

long short straddle

É iniciante? Indicamos que você leia antes de tudo um material bem completo que preparamos sobre opções.

Long & short straddle: conheça esses conceitos

O long straddle é uma operação bidirecional. Ou seja, aposta em movimentos direcionais para alta ou para a baixa, mas que necessita de grandes variações percentuais para se garantir lucro. Em outras palavras, é uma operação de compra de volatilidade em um momento de indefinição para o ativo objetivo.

Enquanto isso, o short straddle é uma operação que aposta na lateralização. Ou seja, na diminuição da volatilidade e maior estagnação dos preços para auferir lucros. Ou seja, é uma operação de venda de volatilidade.


Como montar um long straddle?

Primeiramente, é preciso destacar que os exemplos discutidos no texto são apenas para fins educacionais. Eles não caracterizam recomendação ou indicação de investimentos.

O long straddle pode ser montado através da compra de uma opção de compra (call) e a compra de uma opção de venda (put), ambas com o mesmo preço de exercício.

Por exemplo: Compra-se CIELI520 por R$0,45 e compra-se CIELU520 por R$0,40, neste exemplo, a data de vencimento é o dia 21/09 e o preço de exercício de ambas as opções é de R$5,20.

Ao comprar as duas opções o operador desembolsará os dois prêmios, R$0,85, e ficará exposto em ambas as direções.

Quais as vantagens e desvantagens do long straddle?

Vantagens

Ao montar este tipo de operação, o operador precisa ter em mente que o ativo objeto precisa se movimentar com certa velocidade. Em outras palavras, precisa cair ou subir muito, para que a desvalorização de uma ponta seja compensada por outra ponta para que o resultado seja positivo. Em cenários de indefinição e baixa volatilidade, montar um long straddle pode ser uma operação muito bem sucedida – quando a volatilidade implícita está muito baixa, ou seja, em relação à histórica, a probabilidade de um retorno à media estará a favor da operação. Montar um long straddle com a volatilidade é positivo, pois a operação teoricamente estará mais barata.

Utilizando o exemplo acima, caso as ações CIEL3, no vencimento, estejam entre R$4,20 e R$6,20, o operador não obterá lucro. Mas ao ultrapassar o valor de R$6,20, ou cair abaixo de R$4,20, o lucro começa a aparecer e poderá ser infinito, desde que a tendência de alta ou baixa se intensifique.

Desvantagens

Após um cenário de alta volatilidade, esta estratégia não costuma ser muito efetiva, principalmente após grandes eventos (onde costuma-se ter volatilidade mais elevada) ou após um grande deslocamento de preços.

Outro ponto negativo desta estratégia, é que o operador deverá desembolsar dois prêmios para montar a operação, o que pode ser bastante oneroso caso a operação não venha lograr êxito.

Como montar um short straddle?

O short straddle pode ser montado através da venda de uma opção de compra (call) e a venda de uma opção de venda (put), ambas com o mesmo preço de exercício. Por exemplo: vende-se CIELI520 por R$0,45 e vende-se CIELU520 por R$0,40, neste exemplo, a data de vencimento é o dia 21/09 e o preço de exercício de ambas as opções é de R$5,20.

Ao vender as duas opções o operador receberá os dois prêmios, R$0,85, e ficará exposto negativamente, ou seja, em risco, em ambas as direções.

Como a operação de short straddle é uma operação de venda de opções, ou seja, há um enorme risco inerente a operação, faz-se necessária a cobertura das opções vendidas com posição comprada ou caixa disponível. Por exemplo: ao vender uma call, é muito importante possuir o ativo objeto comprado, no exemplo, CIEL3, para caso as ações e as opções disparem, o lançador será exercido. Da mesma forma, no caso da venda da put, há a necessidade de ter o caixa para exercer a compra do ativo objeto, caso este caia abaixo do preço de exercício da opção.

Cabe ressaltar que esta operação é extremamente arriscada e há possibilidade de perda ilimitada caso não seja feita a cobertura e garantia das opções, por tanto, se você é um investidor iniciante ou intermediário, não é recomendável se arriscar neste tipo de operação.

Quais são as vantagens e desvantagens do short straddle?

Vantagens

Ao montar este tipo de operação, o operador precisa ter em mente que o ativo objeto precisa lateralizar. Ou seja, precisa diminuir a volatilidade do ativo objeto, para que, com o tempo, o valor extrínseco das opções seja reduzido e o prêmio recebido no ato da montagem da operação seja efetivado.

Utilizando o exemplo acima, caso as ações CIEL3, no vencimento, estejam na região de R$5,20, operador obterá ganho máximo. Mas ao ultrapassar o valor de R$5,20 para cima ou para baixo, haverá o descasamento da operação (ou a call começará a subir, ou, no caso da queda, a put começará a se valorizar), o que pode levar a perdas ilimitadas.

Desvantagens

Ao vender uma opção a descoberto, o risco de perda é ilimitado, o que demonstra uma relação de risco x retorno desfavorável, apesar da estrutura apostar num movimento de lateralização do ativo objeto. Portanto, para montar essa operação de forma mais segura, é necessário ter o ativo objeto em custódia (para fazer o lançamento da call) e ter em caixa todo o financeiro para fazer a venda da put. Isso aumentará o financeiro da operação como um todo.

Leia mais sobre estratégias com opções:

Lucas Uhlig
Lucas Uhlig
Formado em Administração de Empresas e Analista de Finanças pela FGV-Rio. Atua como contribuidor e community manager no TradersClub.

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub