TC School / Contabilidade financeira

Reflexos contábeis dos investimentos entre empresas

15/07/2020 às 5:00

TC School TC School

Nesse texto, falaremos sobre os reflexos contábeis dos investimentos realizados entre empresas, informações de suma importância na avaliação de um grupo econômico. Para facilitar o entendimento, o texto foi dividido nos seguintes tópicos:

  • Tipos de investimentos entre empresas: coligada, controlada, joint venture e títulos de valores mobiliários
  • Reflexos contábeis dos investimentos entre empresas: como esses investimentos influenciam nas demonstrações contábeis?
  • Análise do grupo econômico: a riqueza das investidas está presente no balanço da investidora?

Boa leitura!

investimentos entre empresas

Leia mais sobre contabilidade financeira:

Investimentos entre empresas

Antes de tudo, os investimentos em ações entre empresas são divididos em 4 tipos, conforme a relação entre a empresa investidora e a empresa investida.

  1. Controlada
  2. Joint venture
  3. Coligada
  4. Ativo financeiro

Dessa forma, vejamos as características inerentes a cada tipo de investimento entre as empresas.

Controlada

A empresa é classificada como controlada quando a investidora “manda” (tem controle) na empresa. O controle é “presumido” como 50% +1 de ON (ações ordinárias). Mas pode ocorrer com bem menos, dependendo de quão pulverizado é o capital da investida, tipos de ações e acordos entre acionistas.

Joint Venture

A investida é um joint venture/joint operation quando controle é “dividido”.  Neste caso, nenhum investidor “manda sozinho” na empresa. Exemplo clássico de joint venture é o 50%/50%; mas podem existir JVs onde um investidor tem 70% e o outro 30% e as decisões são tomadas em “conjunto”.

Coligada

Na coligada, o investidor nem “manda” (controle), “nem manda em conjunto”; ele tem apenas “influencia significativa“. A participação na investida geralmente fica na faixa de 10% a 20%; mas analisam-se outros aspectos como poder para ele eleger um membro no CA ou CF da cia.

Ativo financeiro

Por fim, quando um empresa compra ações/quotas de outra empresa – e esse investimento não se caracteriza como uma controlada, coligada ou joint venture, por representar uma parcela “pequena” do PL da investida, ele é classificado como um ativo financeiro: título de valores mobiliários (TVM).

Reflexos contábeis

As controladas, coligadas e joint ventures são reconhecidas pelo Método de Equivalência Patrimonial (MEP )no Balanço Individual; sendo as empresas controladas “consolidadas” nos balanços do grupo econômico. Já os ativos financeiros são mensurados pelo valor justo contra o resultado do exercício na DRE ou no PL (Outros resultados abrangentes).

Equivalência patrimonial

De acordo com o método de equivalência patrimonial (MEP), os investimentos nas empresas são registrados pelo valor pago (custo de aquisição) e ajustados pelos lucros/prejuízos, dividendos e outras variações ocorridas no investimento realizado. Obs: não são ajustados para refletir o “valor justo” da investida.

De maneira simplificada, o MEP visa ajustar o Balanço da empresa investidora (ativo) pelas variações no patrimônio líquido da investida. Assim: Quando o PL da investida aumenta, o ativo da investidora também aumento Quando o PL da investida diminui, o ativo diminui.

Contabilização do investimento entre empresas

Por exemplo, quando a investida tem lucro, a investidora registra um Resultado/Receita de Equivalência Patrimonial; quando tem prejuízo, registra-se uma despesa resultado negativo. O resultado de equivalência = % do Capital Social da Investida x Lucro/Prejuízo da Investida.

Ex. Empresa A tem 50% da empresa B. B teve um lucro de R$ 100. Na DRE da empresa A aparecerá um Resultado de MEP de R$ 50 (100 x 50%). A contrapartida dessa receita na DRE é um aumento do ativo (Investimento em “B”, classificado no ativo não circulante). Dessa forma, a contabilização na investidora ocorreria da seguinte forma:

D – Ativo de investimento (Aumento no ativo) – R$ 50 – Aumento no investimento

C – Resultado equivalência patrimonial (Receita/DRE) – R$ 50

Quando a investida paga dividendos, ocorre uma diminuição da participação societária. Ou seja, o PL da investida diminuiu (saiu caixa, ativo menor). E isso não “transita” pela DRE da investidora, até porque contaria duas vezes, já que o lucro líquido da investida já transitou via MEP, conforme expliquei acima. Para o caso dos pagamentos (recebimento) de dividendos, a contabilização na investidora ocorre da seguinte forma:

D – Bancos (entrada do recurso)

C – Investimentos (diminuição pelo recebimento dos dividendos)

Portanto, podemos resumir o método da equivalência patrimonial como:

  • a) O investimento é registrado pelo valor pago (custo)
  • b) É aumentado (diminuído) pelos lucros (prejuízos) da investida
  • c) É diminuído pela pagamento (recebimento) de dividendos e juros sobre capital próprio
  • d) Não é ajustado pelas variações do valor de mercado, apesar de sofrer impairment

E a tributação do investimento entre empresas?

O Resultado de equivalência não está sujeito a tributação (IRPJ e CSSL) quando a investida encontra-se no Brasil. Princípio que norteia: o lucro da minha investida já foi tributado e portanto estaria “isento” para a investidora. Idem dividendos recebidos.

Analisando os investimentos entre empresas

Por fim, nem toda a “riqueza” das investidas será refletida nos Balanços da Investidora. Isso fica nítido quando a investida é uma cia aberta. Na maioria dos casos, o valor do participação na investida (mensurado por MEP) é inferior ao valor negociado em Bolsa.

Nesse sentido, é relevante avaliar a contribuição das “investidas” para o resultado da investidora e para o grupo como um todo (consolidado). Empresas divulgam Nota Explicativa – “Investimentos” com toda a movimentação das participações: aquisição, MEP, dividendos, alienações, baixas etc.

Texto produzido com material divulgado pelo Professor Fernando Dal-Ri Murcia, da FEA-USP, autor de vários livros e artigos sobre contabilidade.

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub