TC School / Contabilidade financeira

Aspectos contábeis dos juros sobre capital próprio

09/07/2020 às 5:00

TC School TC School

Nesse texto, falaremos sobre os Juros sobre capital próprio – os aspectos contábeis da “Jabuticaba brasileira”. Para um melhor entendimento, mostraremos os aspectos contábeis que norteiam essa forma de remuneração:

  • O que são os juros sobre capital próprio?
  • Como são calculados – Limites impostos pela legislação para sua distribuição
  • Aspectos tributários – é uma “despesa financeira” dedutível
  • Para fins societários e contábeis – na essência econômica, são dividendos

Boa leitura!

Juros sobre capital próprio

Leia mais sobre contabilidade financeira:

Juros sobre capital próprio

A figura do Juros sobre capital próprio (JCP), surgiu com a Lei 9.245/95 – a mesma que extinguiu a correção monetária dos balanços. De certa forma foi uma medida “compensatória”: ao não atualizar os Balanços pela inflação, a empresa acaba pagando IR sobre capital e não renda.

A referida lei permitiu as empresas deduzir da base de cálculo do IR uma despesa referente a “juros sobre o capital próprio”, reduzindo assim o tributo a pagar. Esse capital próprio é o Patrimônio Líquido da empresa, excluindo algumas contas, por exemplo a reserva de reavaliação (se permitida por lei).

Assim, da mesma forma que existe os juros sobre o capital de terceiros (dívidas). No Brasil existe a jabuticaba “juros sobre o capital próprio“. Teria a lógica de “custo de oportunidade” do capital do acionista (PL), mas dados os limites e a taxa utilizada não reflete isso

Como são calculados os juros sobre capital próprio?

Para mensurar o valor a ser distribuído via JCP, utiliza-se a Taxa de juros a longo prazo (TJLP) o que já descaracteriza a lógica de custo de oportunidade. Adicionalmente, o valor do JCP (dedutível) é limitado ao maior valor entre:

  1. 50% do Lucro Líquido (antes do pagamento)
  2. 50% das reservas de lucro

Por exemplo, vamos assumir os seguintes valores hipotéticos:

  • PL: R$1.000
  • TJLP 2%
  • Montante “potencial” do JCP = R$ 20

Mas os R$ 20 estão limitados a 50% do Lucro Líquido antes da dedução do JCP ou 50% das Reservas de Lucros. Dos dois o maior.

Na prática, muitas empresas pagam o “máximo” possível de JCP e complementam o restante com dividendos. Isso porque os montantes pagos a título de juros sobre capital próprio podem ser imputados aos dividendos obrigatórios devidos conforme o estatuto social da empresa.

Aspectos tributários dos JCP

Apesar de representar uma “economia” de tributos para a empresa, a decisão de se pagar juros sobre capital próprio nem sempre é mais vantajosa quando se analisa igualmente a perspectiva do acionista. Isso porque para alguns “recebedores” existe a retenção de 15% de IR na fonte.

Nesse sentido, a decisão – do ponto de vista de planejamento tributário – de se pagar JCP ou dividendos envolve, por exemplo: Empresa vai ter lucro tributável neste período? Tem prejuízo fiscal? O(s) acionista(s) são pessoas físicas, fundos, governo etc?

Na ótica contábil (e econômica), nunca houve dúvida de que o JCP é um dividendo “genuíno” que goza de uma dedutibilidade fiscal. Nesse contexto, é tratado como tal para fins contábeis. Assim, não é registrado como despesa na DRE – sendo deduzido dos Lucros Acumulados (PL). Assim, os juros sobre capital próprio são tratados como “despesa”, apenas na apuração do lucro tributável da empresa (veja o texto sobre a possibilidade da tributação de dividendos).

Reflexos na contabilidade das empresas

Para fins contábeis, transações entre empresas e sócios – quando estes atuam na “qualidade de sócios” – não são receitas ou despesas, sendo registrados diretamente no PL. Ex. Aumento/diminuição de capital, ações em tesouraria, distribuição de dividendos e JCP.

Lembrando que a contabilidade privilegia a “essência econômica” da transação e não a forma legal. O tratamento dado aos juros sobre capital próprio é o mesmo do dividendo: uma remuneração do acionista da empresa pela detenção da participação acionária

Por fim, qualquer cálculo que envolva o pagamento de dividendos (dividend payout, dividend yield etc.) deve sempre considerar o somatório dos dividendos e JCP.

Texto produzido com material divulgado pelo Professor Fernando Dal-Ri Murcia, da FEA-USP, autor de vários livros e artigos sobre contabilidade.

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub