31/03/2020 às 5:02

O Relato Integrado é capaz de reduzir o custo do capital das empresas?

TC School TC School

Empresas que divulgam o Relato Integrado (“Integrated Reporting”) possuem menor custo de capital próprio.

É isso que diz a tese de Doutorado realizada no Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP com uma amostra global de 564 empresas durante os anos de 2010 a 2017.

A pesquisa foi feita por Elise Zaro e orientada pelo Professor Fernando Murcia.

Relato Integrado e Custo do Capital

Relato Integrado e Gerenciamento de Riscos

Os casos de rompimento das barragens da empresa Samarco, em Mariana – MG (2015) e Brumadinho – MG (2019), trouxeram uma série de discussões sobre a avaliação dos impactos da organização em aspectos financeiros e não financeiros e como o gerenciamento de riscos é importante para os funcionários, a comunidade de entorno e os investidores.

Dentro deste cenário, o Relato Integrado <RI> (Integrated Reporting) surge como uma iniciativa que encoraja as empresas a analisarem seu modelo de negócio de uma forma holística.

Esse processo inclui a consideração ativa das perspectivas financeiras e não financeiras para entender todo o capital gerado, mantido e destruído pela companhia ao longo do tempo.

Quais são os seis capitais analisados pelo Relato Integrado?

O Framework para Relato Integrado propõe que as empresas analisem seis capitais, são eles:

  1. Capital financeiro
  2. Capital manufaturado
  3. Capital social e de relacionamento
  4. Capital humano
  5. Capital intelectual e
  6. Capital natural

Nessa linha, o princípio da conectividade preconiza que seja avaliada a conexão e interpendência desses capitais e outros fatores que fazem parte do modelo de negócios.

Qual é o principal objetivo do Relato Integrado?

De maneira geral, o principal objetivo do Relato Integrado é melhorar a qualidade das informações oferecidas aos provedores de capital, para que eles sejam capazes de entender a capacidade de criação de valor da organização no curto, médio e longo prazo.

Em tese, isto deveria reduzir o risco percebido pelos investidores em relação a essas empresas e reduzir o seu custo de financiamento, ou seja, reduzir o custo do capital próprio e o custo de dívida.

Como o Relato Integrado pode auxiliar na redução do custo do capital?

A possível redução do capital ocorre pelos dois fatores apresentados anteriormente:

  • Melhoras na gestão dos capitais financeiro e não financeiro e
  • Redução da assimetria de informação (se não sabe o que é assimetria informacional, assista ao vídeo abaixo)

A diminuição da percepção de risco devido a divulgação de Relato Integrado e aumento da qualidade de disclosure pela adoção do Pensamento Integrado, encontra fundamento na Teoria de Disclosure Voluntário, que pressupõe benefícios na redução da assimetria informacional entre administrações e provedores de capital.

Resultados da pesquisa sobre Relato Integrado e redução do custo do capital

Para comprovar essa expectativa – de redução do custo de captação das empresas – a pesquisa analisou uma amostra global de 21.409 observações, de 2010 a 2017.

Foram utilizadas informações de 564 empresas que adotaram Integrated Reporting voluntariamente, considerando todos os anos foram utilizadas 4.179 observações.

Para dar maior robustez aos resultados, foi utilizado o procedimento de método do escore de propensão (Propensity Score Matching – PSM), de modo a identificar um grupo de não adotantes de Relato Integrado, comparável aos adotantes, para simular o que teria acontecido com as empresas que adotaram em um cenário hipotético de elas não terem adotado.

Essa comparação permite que sejam controlados fatores e isolar os efeitos da adoção do relato integrado.

Baseados nesse procedimento, foram identificadas 2.459 empresas, perfazendo um total 17.230 observações. Os critérios utilizados para encontrar as empresas do grupo de controle foi o setor e o tamanho da empresa.

O teste aplicado foi bastante robusto, pois utiliza a própria empresa como controle dela mesma no período anterior a adoção, ou seja, compara o custo de capital dela antes e depois da adoção do Relato Integrado.

Ao mesmo tempo, esta metodologia compara os adotantes de relato integrado com o grupo de controle, ou seja, os não adotantes de relato integrado, também dividido em dois períodos, pré e pós adoção (para os não adotantes, o período pós adoção refere-se ao período após a divulgação do Framework de relato integrado, ou seja, 2013).

E daí? Esse tipo de divulgação ajuda a reduzir o custo do capital?

Os resultados indicaram que a divulgação de relato integrado é negativamente relacionada com o custo de capital próprio.

Ou seja, o custo de capital das empresas que adotaram relato integrado no período pós adoção, comparada com ela mesma no período anterior a adoção e comparada a um grupo de controle é menor.

Esse procedimento deve controlar outros fatores que influenciam o custo de capital e isolar o efeito específico da adoção do relato integrado.

Esse resultado é um indício de que os investidores percebem o engajamento à iniciativa como um fator que reduz o risco relativo a esse investimento.

Mas por quê?

Primeiramente, porque é esperada melhoria no processo de gestão, uma vez que a empresa passa a considerar diversos fatores para a tomada de decisão de forma integrada.

Sendo assim, é possível que sejam identificados os fatores chave que afetam a continuidade da empresa; que as decisões sejam mais informadas e, portanto, levem a melhora da performance financeira; e não financeira; e que ocorra o gerenciamento de riscos anteriormente negligenciados.

Os resultados são robustos após controlar pelo tamanho da empresa, nível de alavancagem financeira, Retorno sobre os ativos, Market-to-Book e performance Ambiental, Social e de Governança (ESG).

Todos os testes incluíram controles por país e setor, pois as características destes tem grande influencia sobre o custo de capital.

A pesquisa foi realizada pela Professora Elise Zaro, para obtenção do título de Doutora em Controladoria e Contabilidade na FEA/USP e teve como orientador principal o professor Fernando Dal-Ri Murcia e como co-orientador o Professor Eduardo Flores.

O texto completo pode ser encontrado no site: http://www.teses.usp.br/

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub