TC School / Análise Fundamentalista

Análise setorial: companhias do setor de papel e celulose

07/08/2020 às 5:00

TC School TC School

Nesse texto, falaremos sobre o setor de Papel e Celulose, abordarei sobre as empresas do setor e como olhar alguns indicadores específicos do setor. Assim, esse texto ficará divido nos seguintes tópicos para facilitar o entendimento do leitor:

  • Overview do setor de celulose: conheça as principais empresas
  • Tipos de produtos: entenda o modelo de negócios
  • Principais indicadores: Custo Caixa de Celulose e outros
  • Importância dessa informação para o Investidor

Boa leitura!

Leia mais análises setoriais:

Overview do setor de celulose: conheça as principais empresas

O setor de Papel e Celulose é um dos mais antigos no Brasil. Um desses motivos é a vantagem competitiva que o Brasil tem frente aos outros países, possuindo grandes florestas, bem como condições favoráveis de plantação do eucalipto. Dessa forma, o país obtém um melhor rendimento nas suas florestas, fazendo com que os custos de produção das terras brasileiras sejam inferiores a outros países.

Atualmente, o setor conta com quatro empresas que são: Klabin S.A (KLBN11), Suzano S.A (SUZB3), Irani Papel e Embalagem S.A (RANI3), e a Companhia de Melhoramento de São Paulo (MSPA4). Um fato importante é que todas essas empresas são bem antigas, sendo fundadas em 1889 (Klabin), 1924 (Suzano), 1940 (Irani) e 1888 (Companhia de Melhoramento de São Paulo).

Sendo assim, observa-se que é um setor dos mais perenes e antigos, visto que a demanda pelos produtos das companhias é contínua. Fora isso, o setor é um grande contribuidor do Produto Interno Bruto (PIB), conforme a Indústria Brasileira de Árvores (IBA), o setor de arvores plantadas tem uma representação de quase 7% no PIB Industrial.

Outro fato é que o setor tem a maior parcela da sua produção sendo levada para o exterior, sendo uma opção para os investidores que gostam de “dolarizar” uma parte dos seus investimentos.

Tipos de produtos: entenda o modelo de negócios

Quando observamos os produtos que são elaborados pelo setor, temos principalmente a celulose e o papel. Devemos lembrar que a celulose tem diversos tipos que dependendo do seu tipo pode ser usada para fins diferentes.

Os tipos de celulose mais conhecidos são a fibra longa, fibra curta e fibra fluff. A fibra longa tem seu maior uso para elaboração de papel higiênico, toalhas, guardanapos, embalagens e papéis especiais como filtros e produtos de fibrocimento.

Já a fibra curta, tem seu uso focado na elaboração de papéis de imprimir e escrever, papel cartão, embalagens e papéis especiais, pois, garante resistência à tração e ao estouro, maciez, resistência a passagem de ar, opacidade e printabilidade.

O terceiro tipo é a fibra fluff que é usada em produtos como absorvente feminino e de incontinência, fralda infantil e adulta, protetor diário, lenço umedecido, entre outros.

Além disso, existem diversos tipos de papéis, dentre eles destacam-se o papel cartão, papel kraft e papeis reciclados. Também existe uma grande quantidade de embalagens que podem ser utilizadas no e-commerce como uma bolsa, ou como um “pack”.

Celulose & Papel

A Suzano é a maior produtora de celulose, porém, as outras empresas também atuam no setor. Já no caso de Papel e Embalagens, temos um destaque para a Klabin, porém, as outras empresas tem atuação nesse segmento. Conforme as figuras abaixo, temos que os dois principais produtos do setor continuam com a produção em alta, em virtude da necessidade desses produtos para elaboração de diversos outros materiais.

Fonte: IBÁ

Observa-se no gráfico acima que, apesar da redução na produção de 2019, as exportações continuam crescendo. Deve-se lembrar que no ano de 2019, o preço de celulose diminuiu bastante, fazendo com que as empresas passassem a aumentar seus estoques, como foi o caso da Suzano. Por outro lado, outras companhias diminuíram a produção de celulose, aumentando a produção em Papel e Embalagens, como foi o caso da Klabin.

Um fato a se lembrar é que boa parte da produção da celulose é enviada para o mercado externo, chegando a mais de 70% da sua produção sendo exportada.

Fonte: IBÁ

No caso do Papel, observamos que a produção está estável. Porém, de forma contrária a celulose, a maior parte do material produzido fica no Brasil, sendo utilizado no mercado interno.

Principais indicadores: Custo Caixa de Celulose e outros

Por ser um setor que demanda muito investimento, visto que além das florestas que as empresas operam com suas plantas industriais, é importante para o investidor entender que será sempre um setor com alto endividamento. Sendo assim, não devemos comparar esses indicadores tradicionais de endividamento a setores que não apresentam grande alavancagem.

Comentei sobre alavancagem financeira, inclusive utilizando o exemplo da Klabin. Clique aqui para entender esse conceito. A figura abaixo apresenta a relação dívida líquida/EBITDA da Klabin e Suzano.

Fonte: elaboração própria

Fonte: elaboração própria

Devemos lembrar também que, apesar do endividamento alto, a Suzano teve um alto crescimento em virtude da compra da Fibria. No caso da Klabin, a mesma está realizando o projeto Puma II que também demandou um crescimento na sua alavancagem.

Apesar de saber que o setor de Papel e Celulose é um setor que possui alto endividamento, o investidor deve observar sempre o impacto dessa dívida na companhia. Uma despesa financeira alta pode fazer com que a companhia acumule prejuízos líquidos e por causa disso não distribua dividendos. Caso isso seja contínuo, a companhia pode até ser descontinuada.

Um exemplo do impacto das despesas financeiras no resultado de empresas, é o resultado do 1T20 da Suzano. Conforme a figura abaixo, a companhia vinha com um resultado operacional bom e foi fortemente impactado por variações cambiais e instrumentos financeiros, entregando um grande prejuízo líquido no período.

Indicador específico: conheça o Custo Caixa de Celulose

Um indicador exclusivo do setor é o Custo Caixa de Celulose. Esse indicador surge para substituir o Custo da Mercadoria Vendida (CMV) na análise dos dados do setor de Papel e Celulose, uma vez que o CMV abrange custos que não representam caixa. Assim, passou a se utilizar o custo caixa de celulose como um indicador que vai representar todos os custos diretos envolvidos entre o processo produtivo até a saída do produto da empresa. Em outras palavras, representando assim, o quanto a empresa consumiu de caixa para produzir o ativo em questão.

Abaixo, exemplos do custos caixa da celulose da Klabin e da Suzano.

Observa-se por meio das figuras acima, que a Suzano possui um custo caixa inferior ao da Klabin.

Apesar de ter focado em dois indicadores, os investidores também devem ficar de olho em índices tradicionais como os de geração de caixa, liquidez e rentabilidade e estrutura de capital.

Por fim, como o setor de Papel e Celulose é dependente do preço de commodities, é importante para o investidor observar esse preço. Dessa forma, é possível entender se o ciclo que está acontecendo pode ser beneficiado por possíveis recuperações de preço ou prejudicado por baixa no preço.

 

Reflexão: a importância dessa informação para o investidor

Por fim, esse texto vem para auxiliar os investidores na forma de observar o setor de Papel e Celulose. Assim, apresentando um overview do setor, seus produtos e seus principais indicadores, espero que esse texto o auxilie nas suas análises.

Ígor Leite
Ígor Leite
Contador e Mestre em Ciências Contábeis pelo PPGCC/UFPB
Contribui com textos educativos para o TC School

TC School

TC School

Disclaimer: Este material é produzido e distribuído somente com os propósitos de informar e educar, e representa o estado do mercado na data da publicação, sendo que as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Este material não constitui declaração de fato ou recomendação de investimento ou para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários. O usuário não deve utilizar as informações disponibilizadas como substitutas de suas habilidades, julgamento e experiência ao tomar decisões de investimento ou negócio. Essas informações não devem ser interpretadas como análise ou recomendação de investimentos e não há garantia de que o conteúdo apresentado será uma estratégia efetiva para os seus investimentos e, tampouco, que as informações poderão ser aplicadas em quaisquer condições de mercados. Investidores não devem substituir esses materiais por serviços de aconselhamento, acompanhamento ou recomendação de profissionais certificados e habilitados para tal função. Antes de investir, por favor considere cuidadosamente a sua tolerância ou a sua habilidade para riscos. A administradora não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação disponibilizada neste espaço. Administradora: TradersNews Informação & Educação Ltda. Todos os direitos reservados.

TradersClub

O app essencial para investidores do mercado financeiro brasileiro.

Uma comunidade com milhares de investidores, ferramentas e serviços que vão ajudar você a investir melhor!

TradersClub