TC Mover
Mover

Será que dessa vez o acordo EUA-China vai adiante?

Postado por: TC Mover em 29/03/2019 às 9:59

Desde dezembro, as equipes negociadoras da China e os Estados Unidos impediram a escalada da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, após os presidentes Xi Jinping e Donald Trump se comprometerem a achar uma solução duradoura para o impasse – que empurrou a economia global para a pior desaceleração em uma década.

 

Autoridades americanas e chinesas estão negociando desde então – e, mesmo progredindo de forma lenta ao longo deste tempo, parece que neste fim de semana ou no começo da semana seguinte deveremos ter algum esboço do acordo. Segundo informações de agências, a China concordou em princípio em aumentar as importações de produtos agrícolas, industriais e de energia dos EUA, juntamente com compras de serviços, para atender ao pedido dos americanos de reduzir o desequilíbrio comercial existente entre os dois países. Mesmo assim, o pedido americano por mudanças estruturais na economia chinesa, como o acesso de estrangeiros a certos setores, pode não ser atendido.

 

Hoje os mercados globais mostram desempenho positivo, o que deve permitir um fechamento trimestral bom, enquanto esperam pelo anúncio de um acordo comercial entre os Estados Unidos e a China. O futuro do Dow Jones Industrials subia 0,50% às 09h45, enquanto o do S&P500 avançava 0,43%. O rendimento dos Treasuries de dez anos subia 3 pontos-base e o dólar recuava, em sinal de menor aversão ao risco.

 

Propriedade intelectual

A proteção à propriedade intelectual é uma preocupação importante para o presidente americano Donald Trump, na disputa comercial do país com a China. Em março, a China aprovou uma nova lei de investimento estrangeiro para lidar com alguns desses problemas. Trump quer ligar qualquer acordo a compromissos específicos de execução – ou seja, os EUA sobretaxarão os produtos chineses se o país asiático descumprir os termos do acordo – mas há dúvidas em como fazer isso.

 

A China ainda nega as alegações americanas de mau comportamento, em conjunto com a campanha americana para desprestigiar a Huawei Technologies, a gigante de telecomunicações chinesa sendo barrada em vários países com acusações de espionagem, mostra que, no entanto, a obtenção de uma acordo dependerá de como os dois países conseguem focar os termos deste em fatos e deixar de lado a profunda competição estratégica entre os dois – que deverá persistir além da guerra comercial.

 

(Foto: Holger Gogolin / iStock / Getty Images)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis