TC Mover
Mover

‘Sobe no boato e realiza no fato’: mercados devem ensaiar realização após aceno para acordo EUA-China

Postado por: TC Mover em 14/10/2019 às 10:27

O acordo preliminar que a China e os Estados Unidos anunciaram na sexta-feira para manter vivas as perspectivas de um acerto duradouro no comércio pouco altera hoje a visão do investidor de que a economia mundial está ferida, de que há desconfiança dos chineses em relação aos americanos e de que o acerto não foi assinado ainda. Um aperto de mãos não é suficiente para que o mercado continue em alta. “Sobe no boato e realiza no fato”, disse um gestor sediado em Londres. “Por que se animar se os chineses ainda desconfiam?” Hoje, a Bloomberg News disse, citando fontes, que a China quer novas conversas no final deste mês para acertar os detalhes da primeira fase do acordo apresentado pelo presidente americano Donald Trump. Eles não querem que o presidente chinês Xi Jinping seja constrangido com uma mudança no tom, os termos ou os componentes do acordo.

 

Mas, não é somente isso. Entre ontem e hoje, a mídia estatal chinesa lançou uma série de matérias bem cautelosas, botando água no chope e, de quebra, alertando Washington para não dar para trás nos compromissos assumidos. Na Europa, a incerteza quanto ao acordo de sexta e a volta dos temores quanto ao Brexit fazem euro, libra esterlina e bolsas na região recuarem. A tentativa do premiê britânico Boris Johnson de garantir um acordo está de novo sob ameaça, após um negociador líder na União Europeia alertar que há pontos álgidos para discutir, sugerindo que o avanço visto na semana passada é limitado. Os aliados políticos Johnson também mostraram certo distanciamento do seu plano. Assim, fique de olho nos ruídos políticos, o noticiário sobre o acordo e o Twitter do Trump e da mídia chinesa, representada pelo The Global Times e seu editor-chefe, Hu Xijin.

No Brasil, o dia está cheio de divulgações importantes. O Banco Central deve publicar o índice IBC-Br de agosto, uma espécie de prévia mensal do PIB brasileiro. Para economistas, a leve recuperação da produção industrial não deve ser suficiente para ocultar a desaceleração vista nos serviços e no varejo no mês. No plano político, o presidente Jair Bolsonaro deve encarar o desafio de aprimorar a articulação política para acelerar a aprovação da Reforma da Previdência, que passa pelas duas últimas sessões de discussão no Senado amanhã e na quarta-feira. Mais tarde, os Estados Unidos informam o resultado mensal do balanço do governo federal de setembro. O investidor precisa se preparar para a publicação, na quinta-feira, do PIB trimestral chinês, quando poderão ficar mais claros os efeitos de 18 meses de guerra comercial com os EUA.

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis