TC Mover
Mover

Ruídos sobre cronograma da Reforma fazem ativos oscilarem; quinta será de liquidez baixa com feriado nos EUA

Postado por: TC Mover em 03/07/2019 às 18:06

Embora os deputados possam votar ainda hoje os requerimentos de adiamento apresentados pela oposição na comissão especial da Câmara que analisa a Reforma da Previdência, até o fechamento deste texto não havia acordo para a votação do relatório complementar nesta quarta-feira. A sessão da comissão, marcada inicialmente para as 13h00, atrasou com o pedido do relator, deputado Samuel Moreira, para ajustar o texto antes da leitura aos deputados. Esse atraso paralisou o Congresso momentaneamente: regimentalmente, quando uma comissão especial começa, nenhuma outra comissão no Congresso está habilitada para realizar votações.

 

Os ruídos ao longo do dia em relação à votação – ou não – do relatório complementar nesta quarta-feira fez o Ibovespa oscilar, tendo se firmado em alta apenas na parte da tarde depois que o presidente da comissão, deputado Samuel Moreira, deu declarações de que haveria a sessão para votação hoje. De toda forma, até a publicação deste texto, não havia clareza se isso ocorreria hoje.

 

Nos Estados Unidos, o índice Dow Jones fechou em recorde histórico, a 26.966 pontos, com alta de 0.67%, após o presidente Donald Trump nomear para a diretoria do Federal Reserve dois economistas que abertamente defendem taxas de juros mais baixas. Os dados de emprego na maior economia do mundo divulgados na manhã de hoje vieram abaixo do consenso, fazendo os rendimentos dos Treasuries recuarem intensamente.

 

Mesmo após a forte volatilidade do pregão de hoje, por conta do vaivém da comissão especial, o índice Bovespa conseguiu se firmar e fechou em alta de 1,43%, a 102.043 pontos, na esperança de que o cronograma da Previdência na Câmara seja cumprido como prometeu o presidente da Casa, Rodrigo Maia, com a votação do primeiro turno em plenário antes do recesso parlamentar, em 18 de julho. O dólar também seguiu o clima otimista e fechou em queda de 0,51%, a R$3,834, acompanhando também o movimento da divisa no exterior. Os juros fecharam em queda, em sua maioria, exceto pelos vencimentos em janeiro próximo e 2029, que encerraram em estabilidade. A Via Varejo foi destaque da sessão de hoje, com alta de 8,81%, no maior valor desde fevereiro, a R$5,93, após anunciar aporte de R$300 milhões ao banco digital da rede, o BanQi.

 

Com o mercado acionário fechado em Nova Iorque amanhã pelo feriado do Dia da Independência, o pregão deve ser de liquidez baixa — e diretamente influenciado pelas notícias de Brasília. A quinta-feira será de poucos indicadores, mas de atenção redobrada a qualquer sinalização de decisão sobre a Reforma da Previdência. Pela manhã, a União Europeia divulga vendas do varejo do mês de maio. No cenário local, caso a previsão se concretize e os deputados não consigam iniciar a votação da reforma na noite de hoje, há chance de que o façam na quinta-feira. Na sexta, o investidor deve ficar atento aos dados de payroll nos EUA, que podem mexer com o apetite por risco mundo afora a depender dos sinais que derem.

 

(Foto: B3/Divulgação)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis