TC Mover
Mover

Risco de diluição da Previdência persiste e STF julga segunda instância; no radar, balanços, Brexit e Trump

Postado por: TC Mover em 23/10/2019 às 10:17

O risco de a Reforma da Previdência ser desidratada em quase R$80 bilhões deve dominar o noticiário e o sentimento no mercado brasileiro nesta quarta-feira, que ontem comemorou a aprovação do texto-base da proposta no plenário do Senado Federal com mais votos do que o esperado. Em desdobramento decisivo para réus da Operação Lava-Jato, que hoje deflagrou sua 67ª fase, o Supremo Tribunal Federal debate hoje a constitucionalidade da prisão após condenação em segunda instância, cuja anulação pode libertar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro José Dirceu e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Mundo afora, os mercados repercutem a crescente instabilidade quanto ao Brexit e os balanços medíocres nos Estados Unidos – que hoje teve como protagonista a Caterpillar. Fique de olho na retomada da votação dos destaques da Previdência, os resultados da Boeing nos EUA e da Weg, CSN, Localiza e EDP Brasil por aqui.

Após o placar do segundo turno, de 60 votos a 19, ficar acima do observado no primeiro turno e das previsões feitas pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, o plenário da Casa entrou em tensão por conta das votações dos destaques, que podiam desidratar a economia fiscal da Reforma da Previdência em mais de R$270 bilhões. Passadas as votações de dois desses destaques, a tensão aumentou quando, temendo uma derrota com uma emenda interposta pelo PT para ressuscitar a aposentadoria especial por periculosidade, o governo concordou em suspender a votação. Ela será reiniciada às 09h00. O dispositivo teria custo de R$23 bilhões em dez anos. E o PT está pronto para “catimbar” o rito adotado ontem no STF. O dia deve começar tenso. A estratégia de parar a votação e atrasá-la por umas horas ou dias se for preciso, é necessária para evitar que a proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, sofra uma desidratação maior.

Entre os balanços esperados mundo afora, teremos Ford, Daimler, Microsoft e Amazon. Hoje, fique de olho no Brexit. Os jornais do Reino Unido dizem que o premiê Boris Johnson pode convocar eleições antecipadas para acelerar o processo. A libra e o euro recuam com a notícia. O petróleo cai à espera do sexto ganho semanal consecutivo nos estoques americanos. O investidor deve repercutir a notícia de ontem de que o maior sindicato dos petroleiros convocou para greve na Petrobras a partir de sábado. Nos EUA, o pedido de impeachment do presidente americano Donald Trump pode ganhar tração, após o depoimento de um diplomata acusando o governo de reter US$400 milhões em ajuda à Ucrânia em troca de uma investigação a rivais políticos.

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis