TC Mover
Mover

Mercados têm ajuste após eleições no Congresso; juros futuros sobem

Postado por: TC Mover em 04/02/2019 às 12:27

A bolsa recua e o dólar futuro sobe nesta segunda-feira com a leitura do mercado sobre os novos presidentes da Câmara e do Senado Federal, cujos pleitos deram vitória a aliados do governo, mas atestaram ruídos da velha política que podem atrapalhar a aprovação da reforma da Previdência.

 

Analistas e operadores chamam a atenção para a entrevista de Rodrigo Maia à Folha, na qual ele diz ser possível aprovar a reforma até julho, mas aponta dificuldades em colocar o texto a plenário sem tramitar nas comissões congressuais. Em paralelo, no Senado, resta a dúvida sobre eventual retaliação de Renan Calheiros, do MDB – maior bancada da Casa –, que retirou sua candidatura em tumultuada eleição de Davi Alcolumbre no sábado.

 

Por volta de 12h00, o índice Bovespa recuava 0,62% a 97.244 pontos depois de renovar máxima histórica de fechamento na sexta-feira. No movimento de realização de lucros, as chamadas blue chips, as ações mais líquidas do Ibovespa, se destacavam na ponta negativa, entre elas as PN do Itaú Unibanco, que divulga hoje seus resultados do quarto trimestre. Já Vale ON acelerava a baixa a 2% após notícia de que a Justiça mandou a mineradora parar de operar outra mina em Minas Gerais, segundo coluna d’O Globo.

 

No mercado de câmbio, o dólar futuro subia 0,55% frente ao real, cotado a R$3,685 na B3, em linha com o fortalecimento global da moeda americana diante de outras divisas. “O retorno de dólares para os Estados Unidos ocorre devido a um movimento de precaução com o estresse causado pelo fim do tratado nuclear EUA-Rússia que tem o caos na Venezuela como pano de fundo”, observa Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae.

 

Acompanhando o dólar, os juros futuros subiam em bloco e ganhavam prêmios de risco. O contrato do DI para 2020 subia 1 ponto-base, oscilando a 6,380%, enquanto a ponta longa acelerava com mais força, com o DI para 2025 avançando dez pontos-base. O Banco Central brasileiro atualiza o patamar do juro básico do País, a taxa Selic, na quarta-feira, e a expectativa é de manutenção do patamar atual de 6,50% ao ano. A pesquisa Focus cortou a previsão para a Selic de 2019 de 7,00% para 6,50%, mantendo a expectativa para 2020 em 8%.

 

No exterior, tanto as bolsas europeias quanto os índices futuros americanos oscilavam, com fracas variações negativas, atentos à temporada de resultados corporativos que hoje traz a Alphabet – controladora do Google – em Nova Iorque. A expectativa de anúncios sobre novos detalhes das conversas entre membros do governo chinês e dos EUA segue no radar.

 

(Foto: Rodrigo Maia/Reprodução)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis