TC Mover
Mover

Mercado corrige exageros e bolsas sobem com volta da China e de olho em eleições nos EUA, Copom, PMIs

Postado por: TC Mover em 03/02/2020 às 18:49

Os investidores corrigiram hoje os exageros do fim da semana passada, quando o temor e a incerteza sobre a retomada dos negócios na China após o feriado de Ano Novo Lunar em meio à epidemia de coronavírus ampliaram as vendas de ativos de risco e a busca por proteção. O ajuste, impulsionado também por dados positivos da economia dos EUA e pela atitude firme do governo chinês, de garantir farta liquidez para os mercados locais, favoreceu a recuperação dos índices das bolsas e a queda do dólar, do ouro e dos juros americanos.

 

A calmaria, porém, ainda é frágil, diante da incerteza sobre os desdobramentos da epidemia, que continua se agravando, com mais de 17 mil contaminados, e limitando a vida de 60 milhões de chineses em uma região estratégica para a indústria não só do país, mas de todo o mundo, além de limitar as viagens e o turismo global. Um sinal dessa fragilidade é o petróleo, que não acompanhou a recuperação das bolsas, com o WTI atingindo o menor preço desde janeiro do ano passado, diante da perspectiva de forte queda do consumo chinês. Com os mercados chineses funcionando, as atenções se voltam cada vez mais para o impacto na atividade no país, com um dado importante manhã à noite, o índice dos gerentes de compras do setor de serviços da China.

 

A retomada do apetite por risco fez o Ibovespa voltar temporariamente para os 115 mil pontos e o dólar recuar para mais perto dos R$4,20 no mercado futuro, enquanto os juros futuros recuaram, reforçando a expectativa de que o Copom cortará a Selic mais uma vez na quarta-feira, de 4,50% para 4,25%. Ironicamente, o vírus mortal pode reforçar a expectativa de corte da Selic, diante de mais sinais de fraqueza da economia global e da queda dos preços das commodities, especialmente o petróleo, que terá impacto baixista forte na inflação de curto prazo. A crise do coronavírus também reabriu a discussão sobre o adiamento do acordo inicial entre Estados Unidos e China, o que pode dar um pouco mais de fôlego para a enfraquecida economia chinesa.

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis