TC Mover
Mover

Investidor deve mudar foco para o exterior com pausa em Brasília; dados da China dão gás a ativos de risco

Postado por: TC Mover em 15/07/2019 às 9:37

Os ativos de risco iniciam a semana em tom positivo, após os números de atividade da China mostrarem que os estímulos anunciados pelo presidente Xi Jinping após o recrudescimento da guerra comercial com os Estados Unidos trouxeram algum alívio. O dado de crescimento do PIB do segundo trimestre, alta de 6,2% na base anual, veio em linha com o consenso e foi o pior resultado trimestral em 27 anos. No entanto, as leituras da produção industrial e das vendas no varejo de junho surpreenderam – bateram até as estimativas mais otimistas. 

 

Assim, as bolsas na China, que se tornará a maior economia do mundo a partir do ano que vem, reagiram positivamente. Contudo, é importante destacar duas coisas: a primeira, que o pacote de Xi impactou muito mais os setores mais dependentes de estímulos – o que sugere que os mais produtivos ainda estão vulneráveis ao desfecho da disputa comercial. A segunda, que, mesmo tirando do cenário o risco de uma desaceleração aguda no curto prazo, os números ressaltam a validade curta da intervenção governamental e trazem de volta aquela pergunta: quando a China vai conseguir implementar políticas de estabilização do crescimento – chamem-se redução de dívida e despoluição, de longo prazo? 

 

O presidente americano Donald Trump voltou a cutucar os chineses hoje no Twitter, dizendo que o crescimento do PIB mais fraco desde 1992 é produto das sobretaxas às exportações chinesas. De novo, ventilou a possibilidade de aumentá-las. Essa semana, podemos ter dados dos EUA mostrando que a desaceleração econômica é mais real do que imaginávamos. O início da temporada de balanços pode trazer mais pistas de como a economia está se comportando. Essa semana será de divulgações dos balanços dos bancos: hoje é a vez do Citigroup, amanhã do Goldman Sachs e do JPMorgan Chase. Acompanhe com atenção os discursos do presidente o de diretores do Federal Reserve – lembre-se que o Fed se reúne em 30 e 31 de julho para decidir o rumo da taxa-alvo Fed Funds. 

 

Com a pausa forçada na política – estaremos em recesso parlamentar e do Judiciário até começo de agosto, – o foco do investidor deve se manter no exterior. No campo local, a divulgação do IBC-Br de maio, pelo Banco Central, afastou temores de que a economia brasileira está ficando cada vez mais perto de uma recessão técnica. Claro, a base de comparação vinha fraca, por conta da greve dos caminhoneiros do ano passado, mas o dado foi satisfatório. O vencimento de opções sobre ações de hoje provavelmente elevará a volatilidade de pregão que, com a proximidade das férias no Hemisfério Norte, pode também mostrar alguma queda nos volumes negociados. 

 

Assim, há espaço para ajustes de posições no mercado local, de acordo com contribuidores TC. O impulso que o mercado ganhou com a aprovação da Reforma da Previdência em primeiro turno, na sexta-feira, deixa o investidor tranquilo em duas frentes. A primeira, que a potência fiscal do projeto se manteve acima dos R$900 bilhões – bem acima do que o mercado esperava. A notícia, do jornal O Estado de S. Paulo, deste fim de semana, de que o governo conta com mais R$220 bilhões da lei de combate a fraudes previdenciárias para diminuir o déficit previdenciário, trouxe forte alívio para o investidor.

 

Os números da pesquisa Focus, também do BC, mostraram a 19ª queda consecutiva nas projeções de PIB para o ano. Houve uma leve elevação nas estimativas da inflação para o ano, mas é pouco provável que isso reduza as apostas de um corte na Selic neste mês. Nos EUA, o índice de atividade industrial Empire State deve ser divulgado. O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve se reunir com seu secretariado para discutir o novo pacote de impulso ao crescimento, assim como a proposta de Reforma Tributária que será protocolada em breve no Congresso Nacional. 

 

Quer ser um investidor bem informado? Cadastre-se no TradersClub e siga nosso canal de notícias e comentários exclusivos.

 

Principais notícias corporativas

 

No âmbito corporativo, a Nadir Figueiredo informou que foi comprada pela Flamengo Participações por R$836,2 milhões, correspondentes a aproximadamente R$63,05 por ação de emissão da companhia. A Marfrig aprovou a sexta emissão de debêntures simples, em série única, pelo valor de R$360 milhões. Os recursos líquidos captados pela emissão deverão ser utilizados para aquisição de bovinos de produtor rural ou cooperativas. A Linx informou que a BNDESPar vendeu todas as ações que detinha da companhia, na última sexta-feira. A Triunfo divulgou os resultados operacionais de junho deste ano, que registrou total de veículos equivalentes de 67,1 milhões, um aumento de 0,1% na comparação com 2018, excluindo a Concepa, que teve contrato de concessão finalizado em julho do ano passado.

 

Os investidores devem continuar reagindo à oferta de ações da Tecnisa, que pretende captar R$410 milhões, o equivalente a 85% da sua dívida líquida. A precificação será realizada no dia 17 de julho. Também deve haver reação à notícia do Valor sobre a dificuldade dos acionistas majoritários da Oi em realizar a troca da diretoria e a venda de ativos relevantes sem a necessidade de passar pelo juiz da recuperação judicial, a segunda maior do país.

 

De acordo com o site Brazil Journal, a Via Varejo deve anunciar hoje Helisson Lemos, ex-executivo do Mercado Livre, para liderar a área digital da companhia. Os investidores devem olhar atentos à entrevista do presidente do Banco Inter ao Estado, onde ele diz que a companhia deve lançar nas próximas semanas um ‘’superaplicativo’’ integrando compra de passagens aéreas e de hotéis à conta corrente e de investimentos. E por fim, a Hapvida deve lançar oferta subsequente para captar até R$2,6 bilhões.

 

Agenda do dia

 

Indicadores nacionais

08h25 Boletim Focus – Banco Central

08h30 IBC-Br mensal (maio) – Banco Central

08h30 IBC-Br anual (maio) – Banco Central

15h00 Balança comercial semanal (julho) – Banco Central

 

Indicadores internacionais

00h00 China – PIB trimestral (2T)

00h00 China – PIB anual (2T)

00h00 China – Produção industrial anual (junho)

00h00 China – Vendas no varejo anual (junho)

09h00 EUA – Índice Empire State de atividade industrial mensal (julho)

 

DISCLAIMER: Este newsletter não tem o objetivo de promover a venda de títulos e valores mobiliários específicos, e sim, de informar correta e oportunamente a quem o recebe.

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis