TC Mover
Mover

Câmara tira o pé do acelerador, atrasa votação da reforma e mercado deve sentir; cautela domina bolsas globais

Postado por: TC Mover em 12/07/2019 às 8:57

Após pouco menos de dez horas de debates, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, encerrou a análise em primeiro turno da Reforma da Previdência na madrugada de hoje, sem ter concluído a votação de todos os destaques – que estão diluindo a economia fiscal do projeto, porém a conta-gotas. Maia se viu obrigado a dar por terminada a sessão após lideranças dos partidos do chamado Centrão indicarem que obstruiriam qualquer votação que estiver por vir. Uma nova sessão está programada para hoje, às 09h00, com o objetivo de concluir a votação de destaques – faltam mais ou menos seis.

 

O cronograma apertado deixa mais difícil votar a reforma em segundo turno antes do recesso parlamentar, que começa em 18 de julho. Dos destaques, o que prevê mudança para as regras de aposentadoria dos professores é o que mais inquieta à equipe econômica, que, segundo alguns veículos de imprensa, comemorava ontem à noite que, na votação dos destaques, não aparecerem jabutis nem prejuízos imprevistos. O jornal O Estado de S. Paulo indica hoje que a potência fiscal da reforma deve ficar em torno dos R$900 bilhões. 

 

Maia insiste que a Câmara pode votar tudo hoje, ou no sábado, mas ele sabe que há um risco: convencer os outros 512 deputados a ficarem em Brasília. O comportamento dos mercados locais de renda variável, câmbio e juros futuros ontem já mostrava uma certa desconfiança com as complicações que o Centrão e a oposição imprimiram neste último ciclo de votações. A bolsa, assim, pode continuar o movimento de realização visto ontem. O investidor sabe que, além da votação dos seis destaques que faltam, o texto precisa voltar para aprovação da comissão especial. 

 

No entanto, mesmo se houver uma demora na tramitação da Nova Previdência, a agenda positiva para os ativos brasileiros continua: ontem, em entrevista à GloboNews, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o avanço da iniciativa melhorou o chamado balanço de riscos avaliado pelo comitê de política monetária para decidir a taxa de juros básica Selic. O comitê, conhecido como Copom, se reúne em 30 e 31 de julho.

 

No exterior, as coisas estão andando de lado. Os futuros dos índices acionários americanos avançavam na manhã de hoje, na esteira dos sinais mais contundentes de uma política monetária mais frouxa nas maiores economias do mundo. No entanto, a alta moderada indicava comportamento cauteloso do investidor antes da divulgação de mais números de inflação nos Estados Unidos. Dados fracos da China e da Cingapura impactaram o sentimento em Ásia, enquanto as ações subiam em Europa após dados da produção industrial de maio acima do consenso. A retomada dos ativos de risco deve continuar pegando carona dos comentários do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, ao longo desta semana.

 

Assim, não perca o foco na Reforma da Previdência, mas fique atento ao resultado da pesquisa do setor de serviços no Brasil, referente a maio, e à pesquisa industrial mensal regional, hoje. Também, fique de olho na divulgação das novas projeções macroeconômicas para 2019 do Ministério da Economia 2019. No exterior, como dizemos antes, sai o índice de preços ao produtor nos EUA de junho. Haverá o discurso do presidente do Fed em Chicago, Charles Evans, que pode trazer mais informações a respeito do rumo dos juros na maior economia do mundo.

 

Quer ser um investidor bem informado? Cadastre-se no TradersClub e siga nosso canal de notícias e comentários exclusivos.

 

.

 

Principais notícias corporativas

 

No âmbito corporativo, preste atenção nos movimentos da ação da Petrobras, que corrigiu informações da imprensa sobre a venda dos Polos Pampo e Enchova. A estatal disse que a nova rodada tem o objetivo de esclarecer regras do processo e dar isonomia à alienação. Copel pode reagir ao anúncio da contratação do banco Rothschild para vender o controle de sua subsidiária de telecomunicações. 

 

A Camil pode mexer, após divulgar resultados referentes ao primeiro trimestre, registrando alta de quase 60% no lucro líquido para R$49,8 milhões. Uma fonte disse à TC Mover que a oferta subsequente da Light, que tinha uma porção primária e outra secundária, foi precificada em R$18,75 por ação, patamar 10% maior que o esperado. A operação deve movimentar pouco mais de R$2,5 bilhões. 

 

Os investidores também devem reagir ao encerramento de discussões para uma fusão entre a Marfrig e a BRF: divergências sobre a governança corporativa da nova empresa foram preponderantes na decisão. A criação da holding Yduqs, que será o novo nome social para a Estácio, deve também ficar nos holofotes hoje.

 

Agenda do dia

 

Indicadores nacionais

09h00 Pesquisa industrial regional mensal (maio) – IBGE

09h00 Índice do setor de serviços mensal (maio) – IBGE

09h00 Índice do setor de serviços anual (maio) – IBGE 3,30%

 

Indicadores internacionais

N.D. China – Balança comercial mensal (junho)

N.D. China – Medida ampla de oferta monetária (anual)

03h00 Alemanha – Índice de preços por atacado mensal (junho)

06h00 UE – Produção industrial mensal (maio)

09h30 EUA – Núcleo do IPP mensal (junho)

09h30 EUA –  IPP mensal (junho)

14h00 EUA – Contagem de sondas Baker Hughes

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis