TC Mover
Mover

Mercado depende de anúncios de Bolsonaro para consolidar melhoras

Postado por: TC Mover em 18/10/2018 às 7:58

Em coluna publicada ontem na Folha de S. Paulo, o economista e ex-diretor do Banco Central, Alexandre Schwarstman, fez fortes críticas ao plano econômico do líder nas pesquisas para a eleição presidencial, Jair Bolsonaro. Em linguagem clara, Schwartsman reclama das propostas descoladas da realidade, da falta de transparência e de metas claras de uma eventual administração Bolsonaro – que deve herdar uma verdadeira bomba fiscal. Ele não é o primeiro a levantar essa bola: o rumo do país e o desempenho do mercado financeiro dependerão cada vez mais de como o ex-capitão vai explicar a meta de zerar o déficit primário, recuperar a confiança dos empresários na economia e reorganizar o Estado depois do período petista.

 

Essas diretrizes devem pautar a melhora – ou a piora – de câmbio, juros e bolsa no curto e médio prazos, disse Pedro Tuesta, da Continuum Economics. Não são poucos os gestores e analistas que veem o câmbio atingindo R$3,50 após a votação no segundo turno, caso Bolsonaro faça os anúncios esperados, de forma estruturada e bem explicada. Essa incerteza sobre o que será privatizado, as atribuições de tal e qual pasta e o plano de ataque contra a deterioração das contas públicas é o que impede a bolsa de atingir novas máximas, e os juros um piso sustentável. Por isso, caro investidor, não deixe de prestar bastante atenção no noticiário político.

 

Como virtual vencedor da disputa eleitoral, Bolsonaro deveria se arriscar a dizer de forma mais clara o que vai fazer – até para mitigar o impacto de um exterior cada vez mais volátil e imprevisível. Hoje, as bolsas ao redor do mundo recuam majoritariamente na esteira da divulgação de ontem da ata do Federal Reserve, que mostrou inclinação maior para elevar as taxas de juros por mais tempo. Fique de olho hoje na publicação de mais pesquisas para o segundo turno da eleição, além dos números de seguro-desemprego nos Estados Unidos; dados do PIB chinês saem hoje à noite e devem impactar o pregão de sexta-feira.

 

Quer ser um investidor bem informado? Cadastre-se no TradersClub e siga nosso canal de notícias e comentários exclusivos.

 

Mercado em um minuto, segundo Contribuidores TradersClub

 

— Câmbio: mercado de olho no ressurgimento de novo foco de volatilidade no exterior e de anúncios de política econômica por parte da equipe de Bolsonaro.

 

— Juros: devem seguir câmbio, de olho nas  notícias político-eleitorais.

 

— Bolsa: deve reagir à volatilidade externa, que impacta o sentimento de mercado mundo afora, e às notícias sobre privatizações e da agenda econômica de Bolsonaro.

 

— Ações: Fique de olho em BRF, com o CEO Pedro Parente negociando acordo de leniência com a Justiça brasileira; Eletrobras, que ainda analisa se leilão das distribuidoras será mantido; Cemig, com candidato ao governo de Minas Gerais, Romeu Zema, reafirmando planos de privatização e UBS rebaixando recomendação; Smiles, com minoritários se organizando para discutir fechamento de capital com a Gol; Linx, que entrou para o mercado de maquininhas; Magazine Luiza, que ultrapassou Carrefour Brasil e é a varejista mais valiosa da bolsa; JBS, com aumento de recomendação pela Moody’s; incorporadoras, com prévias operacionais fracas no segmento de alta renda; estatais, com notícia de que golden shares seriam usadas para acelerar privatização.

 

— Destaques das recomendações: Retomada dos resultados das ações de varejo ($ICON) deve perder o ímpeto no terceiro trimestre, refletindo o impacto das eleições e da economia fraca, diz BTG Pactual. Já o UBS rebaixou Cemig PN ($CMIG4) para neutra com emperramento de plano de privatização.  

 

Principais notícias para começar o dia bem informado

 

Trading News

— Recuperação do varejo depende de retomada da economia, diz BTG Pactual

— Aversão ao risco sobe no exterior em meio a temores com juros nos EUA

— UBS rebaixa Cemig para neutra, vê privatização pouco provável por ora

— Tesouro americano não vê manipulação de moeda entre principais parceiros comerciais

— Promessas de Bolsonaro e ata do Fed tranquilizam mercado

 

Valor Econômico

— Previdência dos militares é desafio para novo governo

— Doria e França empatam em São Paulo
— Empresas de ‘maquininhas’ de cartões se multiplicam
— Trump pressiona Iraque para favorecer a GE

 

O Estado de S.Paulo

— ‘Se perde a eleição em SP, o partido acaba’, diz presidente do diretório paulista do PSDB
— Contrariando orientação de Bolsonaro, Mourão sela apoio a Doria

— Haddad elogia Sérgio Moro em entrevista ao SBT

— PT pede que Rosa antecipe pronunciamento; campanha de Bolsonaro sugere ‘câmara de conciliação’

 

Folha de S. Paulo

— Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp

— Jair Bolsonaro propôs projeto favorável ao WhattsApp

— Liberais de Bolsonaro querem golden shares para destravar privatização com militares

— Haddad diz que juiz Sergio Moro fez bom trabalho na Lava Jato

 

Globo/G1

— Haddad diz que Moro ajudou Brasil, mas errou na sentença de Lula
— Bolsonaro e Haddad assinam termo de compromisso com liberdade de imprensa e direitos fundamentais

— Plano de Bolsonaro de dar imunidade a PMs encontra resistência dentro da campanha

— ‘Passo para o papai?’, disse filha de Temer sobre reforma supostamente paga com propina

 

Agenda do dia

 

Indicadores nacionais
— Não há indicadores previstos

Indicadores internacionais

— 05h30: Vendas no varejo do Reino Unido em setembro; consenso -0,4% na base mensal
–05h30: Núcleo de vendas no varejo do Reino Unido em setembro; consenso -0,4% na base mensal
— 09h30: Pedidos iniciais por seguro desemprego dos EUA; consenso 211 mil

— 09h30: Índice de atividade industrial Fed Filadélfia em outubro; consenso 19,7
— 20h30: IPC nacional do Japão em setembro; anterior 0,5% na base mensal
— 20h30: Núcleo do IPC do Japão em setembro; consenso 1,0% na base anual

— 23h00: PIB da China no terceiro trimestre; consenso 6,6% na base anual
— 23h00: PIB da China no terceiro trimestre; consenso 1,6% na base sequencial

— 23h00: Produção industrial da China em setembro; consenso 6% na base anual
— 23h00: Vendas no varejo da China em setembro; consenso 9% na base anual
— 23h00: Investimentos da China em ativos fixos; consenso 5,3% na base anual

Eventos
— ND: 7º Real Estate CEO Conference do Credit Suisse em São Paulo
— 13h15: Discurso de Randal K. Quarles, do Federal Reserve
— ND: Previsão de divulgação de pesquisa TV Globo/Datafolha para a Presidência

— ND: Previsão de divulgação de pesquisas TV Globo/Datafolha para os governos de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais
— ND: Previsão de divulgação de pesquisa CUT/Vox do Brasil  para a Presidência
— ND: Presidente Michel Temer tem série de reuniões com deputados e ministros

— 11h30: Ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, tem reunião com Joaquim Silva e Luna, ministro da Defesa.

— 16h00: Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, tem reunião com Igor Barenboim, Diretor Superintendente Corporativo do SESI e SENAI

— 17h40: Presidente Temer tem encontro com empresários e representantes do governo chinês

 

DISCLAIMER: Este newsletter não tem o objetivo de promover a venda de títulos e valores mobiliários específicos, e sim, de informar correta e oportunamente a quem o recebe.

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis