TC Mover
Mover

Bolsa tem ajuste após ganhos da véspera em pregão volátil

Postado por: TC Mover em 12/03/2019 às 18:24

O Ibovespa devolveu hoje parte dos fortes ganhos da véspera, quando voltou ao patamar dos 98 mil pontos, refletindo movimentos de realização pontuais e alguma cautela quanto ao encaminhamento da reforma da Previdência à Comissão de Constituição e Justiça – primeiro dos muitos testes que a pauta terá até sua aprovação definitiva. O índice Bovespa recuou 0,20% a 97.828 pontos. Na contramão, dólar e juros futuros caíram em reflexo do cenário externo menos negativo, ambiente de emissões externas e números de inflação no Brasil, que, mesmo acima do consenso, continuaram mostrando um comportamento positivo nos preços ao consumidor.

 

Comentários do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de que passar a reforma na Casa requer mais de 350 votos alimentaram o foco na articulação do governo e a relação com o Congresso. “Neste momento, é melhor sentar e esperar um pouco. O ambiente está difícil de ler e não se esqueça que o funcionalismo e os inimigos da reforma vão usar todas as suas armas para para-la”, disse um operador de grande banco internacional em São Paulo.

 

Por trás da queda do dólar pesou o anuncio da Petrobras de emitir até US$3 bilhões em títulos externos de 30 anos e a reabertura do papel com vencimento em 2029 – que em teoria traria mais moeda estrangeira dentro do país, elevando a oferta de dólares, deixando-o mais barato. Foi a terceira sessão seguida de quedas no câmbio. Com a instalação amanhã da CCJ, o investidor começa a sentir qual será o ambiente ao longo da tramitação da reforma.

 

Se o enfraquecimento do dólar americano ante o euro e as divisas de países exportadores de commodities continuar na quarta-feira, teremos a maior serie de quedas diárias no câmbio desde final de janeiro. O mercado deu de ombros à notícia de que um filho de Bolsonaro teria namorado a filha de um ex-policial investigado na morte de uma deputada estadual no Rio de Janeiro no ano passado.

 

O cenário externo também refletiu a decisão do Parlamento britânico de rejeitar pela segunda vez o acordo proposto pela premiê Theresa May para o Brexit, como é chamada a saída do Reino Unido da União Europeia. Após este voto contrário pelo placar de 391 a 242, há chance de mais uma rodada de votações na quarta e na quinta-feira, especificamente sobre se o Reino Unido deveria deixar o bloco sem acordo ou se deveria pedir mais um prazo para sua saída, marcada para 29 de março. Uma extensão seria analisada pela Comissão Europeia no próximo dia 21 e, provavelmente, referendada. O acordo já tinha sido rejeitado em janeiro, por conta do chamado backstop, ou “rede de segurança”, que manteria o Reino Unido numa união aduaneira com a UE para evitar a criação de controles fronteiriços entre as duas Irlandas. No acordo anterior, o Reino Unido poderia ser obrigado a manter tal união aduaneira por um período indefinido, sem ser capaz de sair unilateralmente. O projeto para votação hoje permite que o backstop se torne permanente, mas não uma retirada unilateral.

 

Fique de olho em nova rodada de indicadores importantes na quarta-feira, além dos holofotes em Brasília com a expectativa de instalação da CCJ, que marca a etapa inicial da tramitação da reforma da Previdência no Congresso. Aqui no Brasil serão conhecidos os números da produção industrial em janeiro em meio aos sinais de lentidão maior que a esperada na atividade, corroborada pela revisão para baixo das projeções para o crescimento da economia brasileira neste ano.

 

Lá fora, o mercado acompanhará dados também de atividade industrial, na Europa e nos Estados Unidos, onde também serão divulgados índices de preços ao produtor e de gastos de construção civil. Depois do fechamento, a China também publicará dados de indústria, além de vendas do varejo e taxa de desemprego.

 

(Foto: B3/Divulgação)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis