TC Mover
Mover

Bolsa retoma os 95 mil pontos com exterior e política tranquilos

Postado por: TC Mover em 29/03/2019 às 11:10

A bolsa brasileira retomava o patamar dos 95 mil pontos pela primeira vez em uma semana, dando sequência ao alívio com a política local e pegando carona no otimismo no mercado externo em meio à percepção de progresso das negociações comerciais entre Estados Unidos e China.

 

Os índices de ações em Nova Iorque caminham para encerrar um forte primeiro trimestre, com ganhos de 12% do S&P500, o maior salto trimestral desde o terceiro trimestre de 2009. As notícias sobre a rodada de conversas entre os Estados Unidos e a China sugerem que os chineses colocaram na mesa temas mais indigestos, como concessões no setor de tecnologia, o que pode destravar um acordo entre as partes. “O encontro terminou e nada de novo foi divulgado, com exceção de um membro da comitiva dos EUA indicando que as negociações podem durar dias ou meses, mas a sensação é que as tratativas seguem bem”, avalia o analista da Mirae Corretora, Pedro Galdi. O aparente consenso da necessidade de avançar a tramitação da reforma da Previdência continua ajudando os ativos brasileiros.

 

BOLSA: Por volta de 11h05, o índice Bovespa subia 1,53% a 95.830 pontos, beneficiado por ações de blue chips – as mais líquidas do Ibovespa -, como Vale, que subia 3,41%, e Petrobras, que avançava 1,35%, no último pregão de março e do primeiro trimestre. A mineradora refletia a alta de 2,5% da cotação do minério de ferro. A estatal petrolífera também era beneficiada pela elevação do preço do petróleo no exterior e pela subida no preço-alvo estipulado pela XP Investimentos, de R$31 para R$33, com recomendação de compra. Na outra ponta, os papéis da Kroton recuavam 4,03% depois de reportar declínio de 73% no lucro líquido do quarto trimestre na comparação anual.

 

CÂMBIO: O dólar futuro flutuava ao longo do pregão. O câmbio recuava 0,37% frente ao real, cotado a R$3,8960 no mesmo horário, e antes do leilão de linha – aquele de venda de dólares conjugado com recompra no futuro – de até US$3 bilhões pelo Banco Central, para rolagem de contratos de câmbio. No exterior, a moeda americana perdia ante demais divisas diante de recuo de 0,1% no índice de preços PCE, dos EUA, em mais um indício de desaceleração econômica.

 

JUROS: Os juros futuros, por sua vez, caíam em bloco, com o contrato para janeiro 2025 cedendo 3 pontos-base a 8,680%, dando sequência às perdas de prêmios de risco na semana. Investidores digeriam também os números da Pnad Contínua, do IBGE, que mostraram alta da taxa de desemprego para 12,4% em fevereiro, com o número de desempregados voltando a superar 13 milhões.

 

(Foto: Kroton – divulgação)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis