TC Mover
Mover

Bolsa alcança os 98 mil pontos e fecha janeiro com ganhos de 10,8% 

Postado por: TC Mover em 31/01/2019 às 18:35

A bolsa superou os 98 mil pontos durante a sessão, nova máxima histórica intradiária, mas a alta perdeu fôlego na reta final do pregão. Assim, o índice Bovespa não bateu seu décimo segundo recorde de fechamento em 2019 e fechou em valorização de 0,41% a 97.393 pontos, encerrando janeiro com ganhos de 10,82%. O otimismo com a troca de governo tingido pela vocação liberal da nova equipe econômica, com discurso em prol de reformas estruturantes, como a da Previdência, terá nesta sexta-feira seu primeiro grande teste: a eleição dos novos presidentes da Câmara e do Senado Federal.

 

O caminho é longo até a aprovação da proposta de mudança nas regras de aposentadorias, cuja versão final ainda é desconhecida. Por ora, a expectativa é que seja apresentado um texto duro, abarcando militares. E, ao longo dos próximos dias, a movimentação política do pleito tende a sinalizar como e se a reforma virá a ser desidratada no Congresso. O dólar abaixo de R$3,70 reflete o cenário otimista, assim como a redução dos prêmios de risco nos juros futuros.

 

Novidades da temporada de resultados das empresas dão impulso à guinada positiva da bolsa, concentrando a atenção do mercado enquanto o debate político ainda não esquentou em Brasília. As ações do Bradesco atingiram máxima histórica nesta quinta-feira após o balanço do quarto trimestre ser bem recebido pelo mercado, bem como o cenário de crescimento agressivo nos volumes de crédito, na esteira de juros baixos e retomada da economia. Os papéis do banco terminaram o dia em alta de 5,65%. Os setores bancário e de consumo têm sido lembrados pelos analistas como opções de investimentos na bolsa me meio à perspectiva de aceleração no consumo, com desemprego diminuindo e inflação controlada.

 

O primeiro mês do ano também marcou o retorno de entrada líquida positiva de recursos estrangeiros, ainda que timidamente, após o fluxo negativo de R$11,4 bilhões em 2018. O saldo segue positivo em R$1,06 bilhão ao menos até o dia 29 de janeiro, de acordo com os últimos dados disponíveis. A combinação de reformas e retomada do crescimento torna o Brasil uma alternativa interessante ao investidor externo depois de o País sofrer a pior recessão em pelo menos oito décadas, entre 2014 e 2017.

 

Mas o dinheiro pesado ainda não veio, comentam gestores, com o gringo ainda em stand by antes do discurso do governo virar ação. Em adição, a cena externa traz incertezas, com sinais de desaceleração global e falta de clareza sobre o desenrolar da disputa tarifária entre Estados Unidos e China. Amanhã teremos mais um ingrediente valioso nesse cardápio: o dado de geração de empregos nos EUA em janeiro. Fique ligado no TC.

 

(Foto: B3/Divulgação)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis