TC News
News

Avanço da Previdência e menor aversão global ao risco ressuscitam blue chips; DIs buscam mínimas históricas

Postado por: TC News em 08/08/2019 às 15:20

A Nova Previdência é assunto do Senado. Aprovada em tempo mais curto do que o esperado pelo mercado, com uma economia fiscal bem acima das projeções médias dos economistas e com uma oposição quase inexistente tanto no Parlamento quanto nas ruas, o passo do projeto pela Câmara foi uma vitória ressonante do presidente da Casa, Rodrigo Maia. Ao mesmo tempo, tornou-se consenso a ideia de que Reforma da Previdência não é a panaceia para os problemas de crescimento do país nem para o equilíbrio fiscal e que mais reformas deverão ser encaminhadas para tirar o país do marasmo.

 

Hoje, em evento no Banco BTG Pactual, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, deixou claro que o processo de modernização e ajuste estrutural das finanças públicas no país não acaba na Nova Previdência. A próxima rodada é a Reforma Tributária, bem diferente da Reforma da Previdência e com elementos ainda mais complexos. A mensagem de que governo e congressistas trabalham em uma proposta conjunta é positiva, mas há muito que avançar para conciliar todos os interesses envolvidos, sejam os do empresariado, dos sindicatos ou da política.

 

É nesse contexto que o Ibovespa opera em alta de 0,95%, rumo aos 104 mil pontos, apesar de muitos investidores terem se queimado nos últimos cinco pregões. Com tendência de curto prazo indefinida e trabalhando no meio do canal de alta de médio prazo, o índice só precisa de um empurrãozinho para sair da armadilha dos 100 mil pontos aos 103 mil pontos. A passagem da Nova Previdência e o envio do texto para o Senado, onde começará a ser apreciado na Comissão de Constituição e Justiça a partir de hoje, impulsionam as ações mais líquidas do índice, as chamadas blue-chips – como Vale, Petrobras e os bancos.

 

Por ora, para que continue avançando, o mercado brasileiro depende mais do exterior benigno do que qualquer pirueta do Congresso quanto às reformas. O sentimento mundo afora mostra-se favorável nesta quinta: os índices acionários americanos sobem, em sintonia com as bolsas europeias, após o Banco Central do Povo da China fixar o iuan em nível mais forte do que o mercado imaginava – evento que o investidor interpretou como um gesto de boa vontade para aliviar a recente escalada das tensões comerciais com os Estados Unidos. O câmbio se beneficia e o dólar futuro cai 0,8% a R$3,94450.

 

Em linha com o maior apetite por risco e a fuga do investidor de ativos mais seguros para outros com maior retorno, os preços do petróleo tiveram a maior alta em mais de uma semana, o ouro caiu do maior patamar em seis anos e os rendimentos da dívida dos países ricos tiveram sua maior alta no mês. Somente o juro dos Treasuries de dez anos disparou 8 pontos-base. Mesmo que a decisão do PBOC de fixar o iuan levemente acima de 7 iuanes por dólar pela primeira vez em 11 anos e os dados de balança comercial chineses forneçam suporte aos ativos de risco, o investidor precisa ficar ligado com o ruído quanto à guerra comercial ou a economia global.

 

Outro destaque são os DIs, que tentam romper as mínimas históricas após várias medidas de inflação mostrarem leituras benignas. A economia fraca e o menor custo dos alimentos na entressafra ajudaram a frear a alta no IPCA e no IGP-DI de julho, validando a aposta de mais um corte na taxa Selic no mês que vem. O IPCA subiu 0,19%, menor variação para julho em cinco anos, enquanto o IGP-DI ficou quase estável. Assim, o DI para janeiro próximo tocou os 5,48%, menor patamar na história do contrato.

 

A economia frouxa também se viu refletida nos balaços corporativos – mas o investidor preferiu ignorar o fato e relaxar após uma semana de insônia. Hoje de manhã, o Banco do Brasil cortou a projeção para o crescimento da carteira de crédito no ano, citando demanda menor por empréstimos corporativos em meio a uma desaceleração forte da atividade doméstica e maior incerteza com a economia global. Isso apesar de ter apresentado lucro e rentabilidade sobre o patrimônio acima do consenso no segundo trimestre. O papel sobe 1,3%, puxado pela melhora na eficiência e nas provisões.

 

(Foto: Bovespa / Wikicommons)

TC News Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis