TC Mover
Mover

Agenda do Investidor: bolsas mundiais, juros, desemprego, vendas e inflação

Postado por: TC Mover em 10/09/2020 às 10:55

Abertura e fechamento das bolsas mundiais

As bolsas mundiais fecharam ontem com alta por conta da recuperação dos papéis de tecnologia, que tiveram quedas expressivas na última semana.

O S&P500 e o Dow Jones terminaram o dia com crescimento de 2,01% e 1,60%, respectivamente. O Nasdaq, que concentra as ações tecnológicas, voou e atingiu 2,71% de ganho no dia, depois de sofrer fortes quedas e perder 10% em três pregões. O Ibovespa registrou 101.192 pontos, alta de 1,24%.

O mercado americano abriu com Dow Jones e S&P500 crescendo 0,73% e 0,63%, respectivamente. O Nasdaq começou o dia em alta de 1,04%. Enquanto isso, o Ibovespa apresentava queda de -0,22%.

O Euro Stoxx encerrou o dia de ontem no azul, 1,62%, mas começou hoje com queda. Por volta das 10h00, apresentava uma baixa de -0,28%.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem uma tendência. O Nikkei apresentou alta de 0,88%, enquanto Hang Seng e Shangai, apresentaram queda de -0,64% e -0,61%, respectivamente.

Agenda do Investidor

Na agenda do investidor de hoje temos a divulgação dos juros na Europa, que ficaram dentro do esperado, informações sobre o seguro-desemprego nos Estados Unidos, que apresentaram alta e dados sobre inflação no Brasil. Confira.

Juros na Europa – Banco Central Europeu manteve taxa de juros em reunião de política monetária hoje, às 8h45. O mercado já esperava que elas ficassem como estão, com o juro básico em zero e a taxa de facilidade de depósito em -0,50%, uma tentativa de fazer o dinheiro circular no mercado europeu e estimular a economia.

Vendas do comércio – Às 9h00, foram divulgados os dados da Pesquisa Mensal do Comércio, que traz informações sobre as vendas do varejo brasileiro no mês de julho. A LCA Consultores estimava que as vendas do varejo restrito, que não inclui automóveis e materiais de construção, cairiam 0,2% em relação a junho, que teve alta de 8%, e subiriam 0,4% na comparação anual, com alta de 0,5%. Enquanto isso, as vendas no varejo ampliado deveriam crescer 3,8%, desacelerando em relação aos 12,6% de junho e 1,8% em comparação ao ano passado.

Os resultados, entretanto, foram melhores do que o esperado, com vendas do varejo restrito crescendo 5,2%, muito acima do previsto, e vendas no varejo ampliado com alta de 7,2%, também muito acima. Dados representam uma tendência de recuperação do setor.

Preços ao consumidor – Também tivemos hoje a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor, IPC, calculado semanalmente pelo Fipe. Nesta semana, a taxa de variação foi de 0,91% ante 0,78% da semana passada. Além disso, foi divulgado hoje, às 8h00, o Índice Geral de Preços-Mercado, IGP-M que acelerou sua alta a 4,41% na primeira prévia de setembro, ante 1,46% no mesmo período do mês anterior.

Desemprego nos EUA – Também saíram hoje os dados semanais de pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos. Na última semana, foram 881 mil pedidos de auxílio e a estimativa era de que o número ficasse em torno de 850 mil, entretanto, o relatório superou as expectativas, com um total de 884 mil pedidos de seguro-desemprego pelos americanos. O número acima da expectativa representa uma retração no mercado de trabalho dos EUA e pode afetar bolsas do mundo todo.

Inflação ao produtor – Também nos Estados Unidos, teremos o Índice de Preços ao Produtor, ou PPI, de agosto. Estima-se que haverá uma alta de 0,30%, metade da registrada em julho, o que representa uma desaceleração natural depois da recuperação do mês anterior. O Núcleo PPI deve acompanhar a desaceleração e fechar o mês de agosto em 0,2% frente a 0,5% do último mês. No fim da manhã de hoje também teremos os números da variação dos estoques de petróleo da EIA.

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis