TC Mover
Mover

Modelo da 3G é questionado após problemas na Kraft Heinz, Ambev

Postado por: TC Mover em 22/02/2019 às 10:12

Por anos, a estratégia dos três sócios brasileiros da gestora 3G tem sido elogiada por alguns dos maiores investidores por ser uma mina de ouro em matéria de resultados e dividendos. Mas uma série de reveses ao longo dos últimos dois anos está colocando o mercado do lado oposto, sinalizando que a interminável busca da 3G por custos menores pode estar destruindo valor em companhias líderes como a Kraft Heinz e a AB Inbev.

 

Às 09h45, a ação da Kraft Heinz despencava 21,5% no pré-market em Nova Iorque após o anúncio de ontem de que recebeu uma intimação do regulador americano do mercado de capitais sobre práticas contábeis na empresa e a redução em US$15,4 bilhões do valor das marcas Kraft e Oscar Mayer no seu balanço – um sinal de que a gigante controlada pelo bilionários brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlso Alberto Sicupira encara desafios estruturais complexos e questionamentos do mercado.

 

O Deutsche Bank aponta há semanas para problemas de “visibilidade do lucro” na gigante de alimentos e, em particular, vem alertando sobre a pressão de queda nas margens devido ao aumento da atividade promocional. Já o JPMorgan foi além: “o mercado por anos se perguntou se o modelo de aperto de cinto da 3G resultaria na erosão do valor da marca. Acreditamos que a resposta chegou ontem sob a forma de uma baixa contábil no intangível de US$15 bilhões (!) para as marcas Kraft e Oscar Mayer.”

 

O papel negociava a US$37,74 com volume equivalente a pouco menos de 25% da sua média de negociação dos últimos 65 dias. Mas não é só a Kraft Heinz que está sentindo o baque do ceticismo dos investidores: a ação da AB Inbev, maior produtora de cerveja do mundo e também controlada pelo trio, tocou seu pior nível desde 2012 no começo do ano após cortar seu dividendo em meio a esforços para reduzir sua dívida; a subsidiária brasileira da AB, Ambev, também está sofrendo com o deterioro do seu apelo entre os consumidores, concorrência maior e uma retomada econômica lenta no país.

 

A Kraft Heinz iniciou um inquérito interno depois de receber a intimação da SEC, como é conhecido o regulador dos EUA, e elevou a contabilidade do custo dos produtos vendidos em US$25 milhões. A companhia também cortou seu dividendo para US$0,40 por ação, indicando que a companhia está priorizando o uso do seu caixa para outros fins em meio a fortes mudanças no comportamento dos seus consumidores.

 

(Foto: Sicupira, Lemann e Telles/Na Prática)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis