TC Mover
Mover

À espera de novo CEO, Cielo lança mão da tecnologia para combater concorrentes

Postado por: TC Mover em 31/10/2018 às 17:14

— A expectativa pela nomeação de um novo diretor-presidente, a ação ON da Cielo teve sua maior alta intradiária em um ano, com sinais de que a empresa começa a fazer mudanças necessária para enfrentar a escalada na concorrência.
— Cielo, que divulgou ontem à noite resultados do terceiro trimestre abaixo do consenso, viu suas margens minguarem este ano – gerando uma queda de mais de 40% na ação ao longo do ano.

— CENÁRIO E GUIDANCE

  • O diretor financeiro da Cielo, Clovis Poguetti, disse em teleconferência que a Cielo deve lançar vários produtos via apps; ele não deu detalhes.
  • Os resultados refletiram o acirramento da concorrência nos segmentos de pagamentos e serviços, disse.
  • A Cielo, ainda líder do mercado de adquirência, passou a enfrentar a concorrência agressiva de diversas empresas, o que levou à uma redução nas margens.
  • Em julho, Eduardo Gouveia se demitiu como CEO, deixando a empresa à deriva, em um momento de reestruturação. Na semana passada, a companhia anunciou Paulo Caffarelli, ex-CEO do Banco do Brasil, como novo diretor-presidente. O Banco do Brasil é um dos dois principais acionistas da Cielo.
  • Caffarelli é visto com cautela por não ser da área de tecnologia.

— REAÇÃO E ANÁLISE

  • A ação subiu até 7,8% mais cedo, maior alta desde 31 de outubro do ano passado. Às 13h20, negociava a R$13,26, alta de 5%.
  • BTG Pactual disse que os desafios da companhia incluem reduzir custos e aumentar a penetração no mercado pré-pago. Mesmo com a ação barata ante pares, não há catalisadores de compra no momento.
  • Para Mirae Asset, o aumento da concorrência não deve mudar no curto prazo.
  • Eduardo Guimarães, da Levante Investimentos, disse que os pontos ruins do resultado já estavam precificados; o surgimento de fatores positivos levou a um ajuste de posições por parte de investidores vendidos, impulsionando o papel.
  • Para a XP Investimentos, a estabilização de algumas métricas indica que a Cielo começa a ver o reflexo de suas iniciativas em marketing e novos produtos.

— BALANÇO

  • Sob a direção de Caffarelli a partir de novembro, Cielo reportou receita líquida de R$2,96 bilhões no trimestre, abaixo do consenso; o lucro também frustrou as expectativas.
  • A companhia viu taxas de adquirência pressionadas e menor receita de aluguel de máquinas.
  • O volume de débito contraiu 2,8% nos últimos doze meses, enquanto os pontos de venda ativos, assim como a base de POS, estabilizaram no trimestre.
  • O resultado de aquisição de recebíveis, que responde por mais de um terço do lucro, seguiu caindo.

(Créditos da imagem: Divulgação/Olhar Digital)

 

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis