TC Mover
Mover

Ritmo do PIB, sustentabilidade do juro dependerão de reforma, diz Copom

Postado por: TC Mover em 26/03/2019 às 9:10

Em meio a riscos crescentes relacionados à desaceleração econômica global, o comitê de política monetária do Banco Central concordou em que deve haver uma aceleração na inflação ao longo do segundo trimestre e que, tanto o ritmo de recuperação da economia quanto a sustentabilidade da taxa de juros no menor patamar histórico dependerá da aprovação de reformas estruturais.

 

No ata da sua reunião de política monetária da semana passada, o Copom, como o comitê é conhecido, disse que a “melhor forma de manter a trajetória da inflação em direção às metas, diante de incertezas quanto aos cenários econômicos, é conduzir a política monetária com cautela, serenidade e perseverança.” Na reunião de quarta-feira passada, o Copom manteve a taxa básica de juros Selic inalterada em 6,50% ao ano pela oitava reunião consecutiva.

 

Apesar dos membros do Copom concordarem que o balanço de riscos se mostra simétrico, eles acham que o cenário externo conturbado em relação aos países emergentes, a perspectiva com as reformas, especialmente a da Previdência, e a desaceleração econômica ainda apresentam riscos. O comitê “julga importante observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo, com menor grau de incerteza e livre dos efeitos dos diversos choques a que foi submetida no ano passado,” disse o comunicado.

 

Os membros do comitê esperam que a medida referência da inflação, cujas métricas cheias e subjacentes têm comportamento adequado até o momento, atinja pico em abril ou maio. O ritmo de recuperação da economia deve ser marcado pela probabilidade de aprovação das reformas, disse a ata.

 

(Foto: Reunião do Copom em anos anteriores/ Divulgação)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis